quinta-feira, 22 de novembro de 2018

A minha curva de decisão

Liss Bischoff
Até que ponto você está disposto a chegar em busca de objetivos estéticos e de saúde?
Quando começamos uma mudança de estilo de vida em busca de mais saúde, bem estar, um corpo mais magro e bonito, é comum “nos perdermos” um pouco em relação a isso.
Será que eu preciso fazer exatamente o que faz aquela pessoa que eu sigo nas redes sociais (aquela que é a minha referência sobre onde eu quero chegar)? Tenho que seguir à risca o que me dizem os mais experientes no assunto? Será que eu consigo? E o mais importante: será que eu QUERO? Será que eu estou disposta a isso?
Quando eu vejo uma moça na praia, com o corpo definido pela musculação, eu também quero aquele corpo, claro! Mas até onde eu estou disposta a ir pra alcançar aquele corpo? Será que eu estaria disposta a passar 2 ou 3 horas na academia por dia? Spoiler: no meu caso, não! Não, eu não estou disposta. Faço atividade física quase por obrigação e nada no mundo me convenceria a passar todo esse tempo numa academia diariamente.
Mas a mesma situação acontece com várias outras coisas na nossa vida. Temos que tomar esse tipo de decisão o tempo todo: até que ponto estamos dispostos a chegar em busca de nossos objetivos?

Fit to Fat to Fit – O que aprendemos com a história de Tramell

Liss Bischoff
O programa Fit to Fat to Fit passa no Brasil, em canais por assinatura, com o nome de “Ganhar para perder”. No programa, profissionais que trabalham como personal trainer engordam propositalmente, aumentando seu peso corporal em torno de 30% a 40% ao longo de 4 meses. Nos 4 meses seguintes eles trabalham em conjunto com seus alunos para tentar perder todo o peso que ganharam e retornar à forma original.


A ideia partiu do personal trainer Drew Manning que, em maio de 2011, decidiu viver na pele a dificuldade que seus alunos sentiam para emagrecer. Cansado de ouvir que ele não entendia seus alunos, o americano, que sempre foi magro, deu início ao seu projeto de engordar para depois emagrecer.
Segundo ele, a principal razão pela qual decidiu fazer isso foi porque seus clientes diziam que ele não entendia quão difícil era estar acima do peso, já que sempre esteve em forma. E eles estavam certos, afirma.

sexta-feira, 14 de setembro de 2018

Michael Pollan fala sobre nutrição, cultura alimentar e obsessões insalubres com uma alimentação saudável


Michael Pollan fala sobre nutrição, cultura alimentar e obsessões insalubres com uma alimentação saudável.
Traduzido pelo Google e adaptado por Júci de Paula. Texto original postado por Alice Dishes em seg, 5 de maio de 2014 às 08:00, link aqui.


Na noite de quinta-feira, Michael Pollan, o (praticamente) Capitão da Cruzada do mundo da alimentação ética e agricultura sustentável, regalou uma casa quase lotada no Teatro Nourse, em São Francisco. Pollan, que nos últimos 25 anos tem escrito livros e artigos sobre o lugar que a natureza e a cultura cruzam - e onde o governo frequentemente interfere – tornou-se mais do que um jornalista. Ele também é um artista, embora o seja com mensagens sérias.

quinta-feira, 30 de agosto de 2018

Como eu consegui quebrar o platô

Liss Bischoff


Eu contei minha história logo no início da criação desse blog (www.resistencia-insulina.com.br/2016/06/minha-historia.html). Contei como eu perdi aproximadamente 15 kg com low carb.
Essa perda de peso aconteceu em aproximadamente 8 meses (entre outubro de 2015 e junho de 2016). E depois disso eu fiquei por quase 2 anos com o peso oscilando 2 ou 3 quilos pra cima e pra baixo, mas sem conseguir emagrecer mais.
Eu ainda tinha um percentual de gordura relativamente elevado, que eu queria reduzir. Mas eu simplesmente não conseguia fazer a balança se mexer.
Eu fiz várias tentativas de quebrar esse platô (jejuns, cetogênica, protocolo whole30, dieta carnívora…), mas nada parecia ser eficiente. Eu chegava a perder uns 3 kg, mas a perda de peso logo estagnava novamente e os poucos quilos perdidos eram rapidamente recuperados.
Eu fiquei batendo cabeça por quase 2 anos até resolver que ia mudar isso, ia quebrar esse platô e finalmente perder o restante do peso para chegar ao meu objetivo traçado lá no início. Mas para isso eu precisava repensar minha estratégia.

Guia para nutricionistas low carb

Guide for low-carb dietitians


Por décadas, os médicos especializados em diabetes e manejo da obesidade recomendaram dietas low carb (baixo carboidrato) para seus pacientes, geralmente com excelentes resultados. No entanto, associações dietéticas e muitos nutricionistas tradicionalmente mantêm opiniões negativas sobre dietas com restrição de carboidratos, muitas vezes criticando-as por serem desequilibradas, inseguras e insustentáveis.

O insulinográfico de armazenamento de gorduras de Ted Naiman explicado

Ted Naiman’s dam fat storage insulinographic explained

by Marty Kendall


Nota [Liss Bischoff]:
Antes de ler esse texto, leia (que é uma explicação anterior): Aresistência à insulina REALMENTE causa ganho de peso?

Eu recentemente compartilhei o mais recente “insulinográfico” do Dr. Ted Naiman. Isso criou uma grande discussão, bem como alguma confusão, então achei que valeria a pena escrever um artigo para desmembrar os insights críticos sobre como a insulina realmente funciona em nosso corpo e o que podemos fazer para reduzir a gordura corporal e evitar o diabetes.

Entenda porque o Homa-IR pode falhar

Liss Bischoff

Nos últimos tempos a resistência à insulina tem se tornado um assunto cada vez mais debatido. E muitas pessoas buscam ler a respeito e descobrir se têm resistência à insulina.
Do ponto de vista de exames e indicadores, o mais popular para identificar a resistência à insulina é o Homa-IR.
O Homa-IR é um indicador simples e pode ser facilmente calculado com base nos resultados de glicemia em jejum e insulina basal da pessoa (CLIQUE AQUI para ler mais sobre isso). No entanto, um resultado “normal” de Homa-IR não garante que a pessoa não tem resistência à insulina. Isso porque o Homa-IR pode deixar passar casos de resistência à insulina que seriam identificados na curva glico-insulinêmica.
Vamos explicar um pouco melhor pra ficar claro…

A low carb parou de funcionar?

O texto a seguir é transcrição de um podcast do Senhor Tanquinho, em que o Guilherme e o Roney entrevistaram o dr. Souto.
Vale a pena ler pra entender porque as pessoas normalmente param de perder peso depois de um tempo fazendo uma dieta low carb (ou qualquer outro tipo de dieta).


terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

Minha experiência com o programa Whole30


Por Liss Bischoff

Meu Whole30 terminou... no dia nr. 26.

No dia 24 de janeiro eu fiz o convite no meu Instagram:

No dia 25 de janeiro eu comecei o programa Whole30 – com mais algumas pessoas que me acompanharam num grupo de whatsApp.
Por 26 dias eu segui direitinho, sem furos. Sem laticínios, sem açúcar ou adoçantes, sem amendoim. Mas hoje, dia nr. 27, eu decidi que era hora de parar e fazer alguns ajustes na minha alimentação. A razão eu explico a seguir.

sexta-feira, 9 de fevereiro de 2018

Aumento dos fatores de risco metabólico 20 anos ou mais antes do diagnóstico de diabetes tipo 2 - experiência do estudo AMORIS


Por: Lissandra Bischoff

Os fatores de risco para Diabetes Tipo 2 (DT2) podem estar presentes muito antes do diagnóstico. Elevação da glicose e dos triglicerídeos foram relatados até 10 a 15 anos antes do diagnóstico. É provável que os processos subjacentes possam estar ativos ainda mais cedo, mas poucos estudos documentaram o impacto de tais fatores durante um período pré-diabético superior a 10 anos.
Nesse novo estudo, que conta com informações de uma grande coorte sueca, AMORIS – baseada em população com dados relevantes dos fatores de risco para 296.439 indivíduos – os autores buscaram descrever trajetórias para fatores de risco metabólico até 25 anos antes do diagnóstico e estimar o risco absoluto de 20 anos para DT2 com base em um conjunto simples de fatores de risco chave comumente medidos.