terça-feira, 19 de dezembro de 2017

Como reverter a Síndrome dos Ovarios Policísticos com Low Carb

How to reverse PCOS with low carb
by Diet Doctor

A Síndrome dos Ovários Policísticos (SOP) é bem comum, afetando até 10% das mulheres em idade fértil. Além dos problemas menstruais e outros sintomas físicos, é uma das principais causas de infertilidade. 1
Felizmente, existe um tratamento eficaz baseado no estilo de vida.

segunda-feira, 18 de dezembro de 2017

Tem cura?

Por Liss Bischoff

Existe uma polêmica em torno do tema.
Diabetes tipo 2 tem cura?
Síndrome dos Ovários Policísticos tem cura?
Depende o que que se entende por “cura”...

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

Sobre adoçantes

Por Liss Bischoff


Hoje eu queria falar sobre um tema que foi abordado no Podcast nr. 70 da Tribo Forte (http://emagrecerdevez.com/tribo-forte-070/) sobre adoçantes.
Rodrigo Polesso começa o assunto assim:
“O segundo ponto, para a gente ir para frente, é do adoçante. Adoçante na forma de refrigerante. Posso tomar refrigerante zero, diet de boa para emagrecer? O racional por trás dessas pessoas é o seguinte… Refrigerante zero e diet é zero em açúcar. A gente imagina que a glicose não será afetada. É zero em açúcar, não vou engordar, tudo bem. Para iniciar essa discussão rápida, tem dois experimentos que foram postados no Diet Doctor. É um experimento pessoal. Uma pessoa que fez. No primeiro essa pessoa tomou o Sprite Zero e monitorou os níveis de glicose no sangue. Como imaginado, Sprite Zero contém zero açúcar, logo os níveis de açúcar no sangue se mantiveram inalterados. Interessante. Então, temos uma prova empírica, nesse caso, de que o nível de glicose com refrigerante zero não é alterado. Isso responde se refrigerante diet e bom para emagrecimento? Não. Outro experimento feio pela mesma pessoa… Dessa vez ele fez tomando Pepsi Max, que é uma equivalente à Coca Zero. A glicose no sangue também seguiu praticamente inalterada. Porém, os níveis de corpos cetônicos caíram quase 50% depois de beber essa Pepsi Max. Eles não voltaram os níveis anteriores mesmo depois de 5 horas. Ele infelizmente não mediu a insulina no sangue. Mas vemos que não alterou a glicose, mas alterou os corpos cetônicos. A gente sabe que os corpos cetônicos são muito sensíveis à insulina. Então, pode ser que o aspartame estimulou um pouco a insulina? Não sei. De fato, fazer os corpos cetônicos caírem não vai ajudar a pessoa a emagrecer. Lembrando que corpo cetônico é do que o corpo se alimenta quando você está em cetose. É quando o copo está adaptado a low carb por um período longo de tempo e está consumindo gordura na forma de corpos cetônicos.”

Como eu cuido dos meus grãos de kefir

Por: Liss Bischoff

Hoje eu vou fazer um post pra explicar pra vocês como eu faço pra cuidar do meu kefir de leite. (obs.: estamos falando apenas do kefir de leite, pois existe também o kefir de água, que não será tratado neste post)

O que é kefir?

Os “grãos de kefir” na verdade não são grãos, mas são um delicado equilíbrio de leveduras e bactérias.
Os grãos de kefir usados para fermentar bebidas, também chamados de Cogumelos Tibetanos, Plantas de Iogurte, Cogumelos do Iogurte, Fungo do Iogurte, Lotus de Neve, tiveram origem no Cáucaso e são constituídos por diferentes microrganismos que ajudam a regular o intestino.
Os grãos de kefir fermentam o leite, transformando o leite cru em uma bebida probiótica e refrescante que tem vários benefícios medicinais. A bebida fermentada é rica em nutrientes (contém altos níveis de vitamina B12, cálcio, magnésio, vitamina K2, biotina, folato, enzimas e probióticos) e é incrivelmente útil para melhorar a digestão e a saúde intestinal.

Sobre o índice glicêmico

Por Liss Bischoff

Como esse assunto é recorrente, resolvi escrever um post a respeito.
No nosso grupo de Facebook, sempre dizemos às pessoas que evitem comer frutas (principalmente as mais doces, de alto índice glicêmico) isoladamente, como lanche no meio da tarde, por exemplo. Porque? É explicado neste post sobre Frutas (http://www.resistencia-insulina.com.br/2017/06/minha-experiencia-com-as-frutas.html), mas eu vou repetir aqui:
“Frutas não são bons lanches. Pelo mesmo motivo que você não deve beber de estômago vazio (o álcool é absorvido mais rapidamente), você não deve comer frutas de estômago vazio (o açúcar no sangue vai subir mais rapidamente, e você vai ficar com FOME 1 ou 2 horas depois, quando o açúcar no sangue baixar).”
Portanto, a melhor forma para consumir uma fruta é como sobremesa, logo após uma refeição contendo proteínas e gorduras, pois assim o impacta glicêmico será atenuado e evita que você sinta fome logo em seguida, como ocorre quando a fruta é consumida isoladamente.”

quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

Sobre os medicamentos utilizados no tratamento do Diabetes Tipo 2

Por Liss Bischoff

Existem basicamente duas formas usuais de tratamento medicamentoso para o Diabetes Tipo 2: o tratamento com medicamentos antidiabéticos e a administração de insulina exógena – para os casos em que o próprio corpo não tem mais condições de produzir insulina suficiente.


Primeiro é preciso entender como se desenvolve o Diabetes tipo 2.
Segundo esse texto do dr. Jason Fung (http://www.resistencia-insulina.com.br/2017/09/entendendo-como-se-desenvolve-o.html), o Diabetes tipo 2 se desenvolve em duas fases.
Na primeira fase, que dura aproximadamente 10 a 15 anos, há um aumento da resistência à insulina. Nessa fase normalmente o paciente apresenta hiperinsulinemia (excesso de insulina).
Na segunda fase do desenvolvimento do Diabetes tipo 2, a hiperinsulinemia não consegue mais acompanhar o ritmo da resistência à insulina. As células beta pancreáticas, responsáveis ​​pela produção de insulina, não conseguem mais acompanhar. Quando este mecanismo compensatório falha, a glicose no sangue aumenta rapidamente. Isso acontece porque a produção de células beta atinge o pico e, então, começa a cair. O declínio progressivo na produção de insulina é muitas vezes chamado de disfunção das células beta ou, por vezes, esgotamento pancreático.
Na primeira fase do diabetes, o declínio da função das células beta é lento, mas constante (aproximadamente 2% ao ano). Após o desenvolvimento de hiperglicemia evidente, há uma aceleração significativa (em torno de 18% ao ano) na falência das células beta.
No diagnóstico de Diabetes Tipo 2, a função da célula beta já está reduzida em 50-60% e esta redução da função das células beta parece começar 10-12 anos antes do aparecimento da hiperglicemia.