terça-feira, 12 de setembro de 2017

DE NOVO SOBRE A BALANÇA

Texto original de Lissandra Bischoff

DE NOVO SOBRE A BALANÇA

Volta e meia vejo gente falando do peso, que “perdeu só x quilos” ou que comeu alguma coisa “proibida” e “engordou x quilos”... enfim... O tempo passa e as reclamações continuam as mesmas.

Então, eu vou recapitular algumas informações e trazer outras novas.
Primeiro: A perda de peso não é linear. De acordo com este texto do Dr. Souto (http://www.lowcarb-paleo.com.br/2012/11/expectativas-versus-realidade.html):
“O peso flutua por outros motivos além da gordura. Somos 70% água, de modo que podemos reter mais ou menos água dependendo da quantidade de bebemos, da quantidade que suamos, da quantidade de sal que consumimos e, no caso das mulheres, do ciclo menstrual. Os alimentos que consumimos pesam e, até que sejam eliminados nas fezes, os mesmos estão dentro de nós, e portanto representam peso. Assim, flutuações de até 2 quilos para cima ou para baixo podem não ser relevantes.”
Nesse texto, o Dr. Souto fala, ainda, que “de uma forma geral, há uma perda rápida nas primeiras semanas, uma perda lenta após, que culmina com a estabilização do peso após 6 meses.”
Segundo: Sempre falo que a balança não é um bom parâmetro. No entanto... EU ME PESO TODOS OS DIAS, exceto quando eu não posso (em viagem, por exemplo) ou quando esqueço por qualquer razão.
A pergunta é: POR QUE eu faço isso? Porque assim eu consigo saber exatamente O QUE impacta meu peso e de que forma. Vamos a um exemplo?
O gráfico abaixo mostra meus registros diários de peso entre o dia 01/08 e 09/09. Como eu já comentei na outra postagem também, que meu gráfico sempre fica parecendo um ecocardiograma (de tanto sobe e desce). É assim mesmo. Eu já acompanho meu peso há muito tempo e já sei que é assim mesmo. Por essa razão, isso não me abala nem um pouco.

Notem que o dia 19 de agosto está marcado em preto no gráfico. Por que essa data?
Bom, eu estava fazendo o desafio do glúten (consumir glúten regularmente por algumas semanas) para poder fazer os exames necessários para investigar doença celíaca. Dia 19 de agosto foi o dia da minha biópsia intestinal. A partir desse dia eu não comi mais glúten. Então o dia 19 de agosto é um ponto de corte pra mim. Vejam que depois dessa data meu peso começou a cair lentamente. Entre o dia 19 de agosto e o dia 1º de setembro eu perdi peso. Mas aí aconteceu um fenômeno!... um fenômeno chamado “comer arroz no fim de semana”...
Eu sempre amei arroz. Mas NO MEU DIA A DIA EU NÃO COMO ARROZ. Mas no dia 2 de setembro eu preparei arroz em casa para o meu marido e meu filho. E acabei cedendo e comendo um pouco também. O resultado está demonstrado claramente no gráfico.
Eu comi o arroz dia 2. Mas por que meu peso continuou aumentando até o dia 4? Porque eu tenho B.O. com arroz (B.O. = Boletim de Ocorrência). SEMPRE que eu como arroz, a fome vem com tudo. Primeiro, eu tenho dificuldade de parar de comer o arroz. Depois, eu sinto mais fome nas outras refeições também. Pronto! Receita pro desastre! Meu peso variou 1,5kg. Muita gente já teria infartado nesse momento dizendo “Meu Deeeeeus! Não é possível! Eu engordei 1,5kg só porque comi um prato de arroz!!! Essa tal low carb não presta mesmo!”
Mas observem: dia 7 de setembro meu peso estava de volta ao MESMO patamar que estava no dia 1º. Isso significa que eu engordei 1,5kg entre os dias 1 e 4 de setembro e depois emagreci 1,5kg entre os dias 4 e 7??? Não!!! Vou relembrar o que o dr. Souto disse: “flutuações de até 2 quilos para cima ou para baixo podem não ser relevantes”. Emagrecer e engordar não é só uma questão de peso na balança! Implica aumentar ou reduzir a quantidade de gordura no corpo. Não houve necessariamente acúmulo ou queima de gordura nessa minha experiência. Minhas roupas continuaram servindo da mesma forma. Minhas dobrinhas de gordura na barriga não aumentaram. Houve uma oscilação de peso. É isso!
Eu já comentei em outro post também que “eu não faço dieta, eu apenas mudei meus hábitos alimentares” (http://www.resistencia-insulina.com.br/2017/04/eu-nao-estou-fazendo-dieta.html). Se eu resolver desistir de low carb hoje, qual a opção que eu tenho? Voltar ao tipo de alimentação que eu tinha antes (estilo pirâmide alimentar)? Comer arroz e feijão todos os dias? Gente!!! Eu já sei o que acontece quando eu como arroz! Acabei de mostrar pra vocês. Qual seria a lógica de fazer isso? Low carb mantém meu peso estável, tanto que em poucos dias meu corpo retornou ao patamar anterior de peso sem nenhuma dificuldade.
Então, se eu quiser comer algo fora da minha rotina normal (seja arroz, batata frita ou sorvete) eu já sei o que vai acontecer. O peso vai aumentar imediatamente após; e depois vai voltar ao patamar que estava antes. Eu não sofro por causa disso. Porque eu já sei que é assim que o meu corpo funciona.
É por isso que eu me peso todos os dias. Porque isso me ensina mais sobre mim mesma. Nem todo mundo gosta de se pesar. Tem gente que sofre com isso. Pra mim, não. Pra mim, isso significa aprendizado de como funciona o meu corpo. Me ajudou a ter uma consciência corporal absurda a respeito do que eu coloco pra dentro do meu corpo e como meu corpo rege a isso. E me fez ficar mais tranquila em relação às oscilações normais da balança.
Querem ver um outro exemplo? Eu percebi que meu peso normalmente aumenta nos fins de semana. Isso se deve ao fato de eu normalmente sair um pouco da rotina alimentar nessas ocasiões. Mas eu percebi que alguns alimentos mexem mais com meu peso do que outros. Eu percebi, depois de várias experiências, que SEMPRE que eu como sopa, na manhã seguinte meu peso está mais alto. A diferença não é pouca: é de 1kg a 1,5kg, normalmente. Sopa! Alguns pedaços de carne boiando numa água com legumes! Sim, isso aumenta meu peso. Será que eu posso acreditar que uma sopa me fez acumular gordura corporal? Acho difícil... É mais provável que seja retenção de líquidos... E, como eu já vi isso acontecer várias vezes, eu sei que em 2 dias meu peso já está de volta ao normal. Então, eu deveria deixar de comer sopa por causa disso? Não sei de vocês, mas eu vou continuar comendo sopa quando eu quiser...
*   *   *   *   *
Entendam: EMAGRECIMENTO É UM PROCESSO.
O ganho de peso é um processo que levou anos, às vezes décadas. Você não engordou isso tudo em semanas ou meses. Então não é razoável querer perder isso tudo em semanas ou meses. O corpo da gente se adapta o tempo todo. Ele se adapta ao processo de GANHO de peso (chega um momento em que a pessoa começa a estabilizar ou ganhar peso mais lentamente) e ele se adapta ao processo de PERDA de peso (chega um momento em que a pessoa começa a estabilizar ou perder peso mais lentamente). Oscilações de peso ao longo desse processo são normais. A gente precisa aprender a conviver com isso. Senão, das duas, uma: Ou a gente pira (e acaba com transtornos psicológicos e de saúde) ou a gente chuta o balde, desiste de tudo e acaba voltando aos velhos hábitos (e esses eu sei bem onde me levam e pra lá eu não quero voltar!).
Tá na hora de tirar da cabeça essa ideia de “comer de determinada forma com o objetivo de perder determinado peso em determinado tempo”. Seu corpo não funciona assim! A fisiologia e muito mais complexa do que isso.
Vou relembrar uma coisa que eu já disse no outro post:
“O problema é esse conceito de dieta. (..)
É por isso que muitas pessoas simplesmente não conseguem emagrecer e manter-se magras depois. Essa visão de dieta como algo ‘temporário’ e, pior do que isso, algo ‘sofrido’, é uma coisa que nunca vai funcionar. Para que funcione de verdade (para que você perca peso e não volte a engordar depois) é preciso que se torne parte natural da sua vida, que se torne realmente um hábito alimentar, algo que faz todos os dias sem nem sequer pensar a respeito. É preciso que você tenha prazer naquilo faz, que você aprenda a ‘apreciar a jornada’.”
É preciso ter consistência naquilo que você faz. E ter consciência de que o processo pode demorar mais do que você espera. Algumas pessoas perdem muito peso muito rápido. Mas essa não é a regra. A maioria das pessoas reclama do contrário.
Eu ainda não cheguei ao “peso alvo”. Mas isso não me incomoda. Eu olho pra trás e vejo cada conquista que eu tive, e vejo, principalmente, onde eu não quero voltar a estar nunca mais. Quem quiser saber mais sobre a minha história, leia aqui: http://www.resistencia-insulina.com.br/2016/06/minha-historia.html

Para ficar por dentro das atualizações,
CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK:
PARTICIPE DO NOSSO GRUPO NO FACEBOOK:
E SE INSCREVA NO NOSSO CANAL NO YOUTUBE:


5 comentários:

  1. Muito bom seu relato e as devidas explicações.
    Acho que precisa ficar mais claro para as pessoas que emagrecimento significa perda de gordura e não necessariamente perda de peso.
    Outro detalhe que precisa ficar claro é que para pessoas já bem lipoadaptadas como você, ingerir um prato de arroz não vai te tirar dessa condição metabólica.Para isso,seria necessário muito mais tempo de refeições ricas em amido,assim como foi para o processo de lipoadaptação.
    Sim,da condição de produzir cetonas sim, haverá imediata interrupção pois outra fonte energética passa a estar disponível especificamente naquele momento,e cetose é uma condição muito "volátil".
    Esse amido consumido leva junto muita água, e aí está a explicação do aumento abrupto do peso.Assim que a insulina cai( voltando a LCHF),os rins liberam as "comportas" e a água toda se vai pela urina (perda de peso rápida).
    O tecido adiposo fica praticamente intocável nesse processo, que como bem colocaste, vai necessitar de tempo e constância na forma LCHF de se alimentar.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Que invejinha, Liss, você ganhou um comentário do Pedro!!! Enriqueceu seu post já ótimo!
    Gostei de seu autoconhecimento.
    Tomei minha sopa (prato favorito) de vegetais com bisteca...
    Também me peso bastante (menopausa). Sinto aumento abrupto no peso quando consumo lactose (algo com leite em pó escondido). O inchaço na barriga e "empasinamento" afetam a balança.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cristina, quando um "baixo-carber" não entende alguns conceitos básicos sobre a fisiologia humana , e ganha peso depois de entrar em uma "pilha" de algo doce ou amido, eles absolutamente enlouquecem. Não consigo contar quantas vezes eu vi as pessoas publicarem em fóruns e blogs, tanto em lágrimas quanto em raiva, porque eles comeram uma rosquinha, um bagel ou duas fatias de pizza e ganharam, digamos, quatro quilos no dia seguinte. Eles então pensam que seu corpo é tão fundamentalmente intolerante aos carboidratos que depois de se entregarem a uma refeição carregada de carboidratos, eles ganharam, durante a noite, quatro quilos de gordura (o incrível é que a quantidade de alimentos que consumiram durante o dia inteiro provavelmente nem pesou nem quatro quilos, e muito menos um pouco de carboidratos!!).
      O glicogênio é a forma armazenada de carboidratos em nossos corpos. É armazenado no fígado e nos músculos, mas os músculos têm uma capacidade de armazenamento muito maior do que o fígado . Para cada grama de glicogênio armazenado, o corpo também trava em cerca de 2,5 gramas de água. Se alguém estiver seguindo uma dieta baixa em carboidratos, em geral, seus níveis de glicogênio serão menores do que se estivessem comendo muitos carboidratos.
      Então, quando eles decidem entrar em uma refeição com carboidratos "pesados", suas lojas de glicogênio serão REabastecidas. O resultado óbvio será um aumento relativamente rápido do peso da balança, graças a toda a água que está sendo acumulada juntamente com o glicogênio. Lembre-se, também, de que a insulina afeta a retenção de sódio no corpo e o ditado de fisiologia é que "a água segue o sódio". Níveis mais elevados de insulina ---> mais sódio e, portanto, mais água , sendo mantida pelo corpo. Portanto o rápido ganho de peso na balança NÃO é gordura corporal!
      A maioria dos veteranos que praticam a LC conhece isso, e uma "colisão" de alguns quilos aqui ou alí não os preocupa (caso da Liss),na verdade até ajuda no auto-conhecimento como bem colocaste.
      Abraço.

      Excluir
    2. (Emocionada)


      Realmente oscilações ao longo do dia, de até 2 kg, ocorrem com frequência. Eu só me peso de manhãzinha, quando o peso está mais baixo (bobinha).
      Mesmo se numa semana abuso mais e na outra faço jejuns maiores, o pêndulo estaciona sempre no mesmo valor, a anos (sorte demais).
      Grata por seu comentário!

      Excluir
    3. Vocês são ótimos! Obrigada pela participação!
      O Pedro é show e é uma honra tê-lo por aqui. ;)

      Obs.: só vi os comentários hoje...

      Excluir