sábado, 1 de abril de 2017

Prevenir a Doença de Alzheimer é mais fácil do que você pensa

Preventing Alzheimer’s Disease Is Easier Than You Think
by Georgia Ede
Tradução de: André Marcanth

Você tem Resistência à Insulina?



Se você não sabe, você não está sozinho. Esta é talvez a pergunta mais importante que qualquer um de nós pode fazer sobre nossa saúde física e mental - contudo, a maioria dos pacientes, e até muitos médicos, não sabem como respondê-la.
Aqui, nos EUA, a resistência à insulina atingiu proporções epidêmicas: mais da metade de nós são agora resistentes à insulina. A resistência à insulina é uma condição hormonal que define o estágio em todo o corpo para a inflamação e supercrescimento, destrói o colesterol normal e metabolismo de gordura e, gradualmente, destrói a nossa capacidade de processar carboidratos.
A resistência à insulina nos coloca em alto risco para muitas doenças indesejáveis, incluindo obesidade, doenças cardíacas, câncer e diabetes tipo 2.
Mais assustador ainda, os pesquisadores agora entendem que a resistência à insulina é uma poderosa força no desenvolvimento da doença de Alzheimer.

O que é a resistência à insulina?
A insulina é um poderoso hormônio metabólico que orquestra como as células acessam e processam nutrientes vitais, incluindo o açúcar (glicose).
No corpo, uma das responsabilidades da insulina é desbloquear as células do músculo e da gordura, para que eles possam absorver a glicose da corrente sanguínea. Quando você come algo doce ou com amido, que provoque um pico de açúcar no sangue, o pâncreas libera insulina para remover o excesso de glicose para fora da corrente sanguínea e levar para dentro das células. Se os níveis de açúcar no sangue e de insulina aumentarem demais e com muita frequência, as células tentarão proteger-se da superexposição dos poderosos efeitos da insulina, atenuando a sua resposta à insulina - elas se tornam “resistentes à insulina”. Num esforço para superar essa resistência, o pâncreas libera ainda mais insulina no sangue para continuar tentando levar a glicose para as células. Quanto mais os níveis de insulina aumentam, mais células tornam-se resistentes à insulina. Ao longo do tempo, este ciclo vicioso pode levar a níveis persistentemente elevados de glicose no sangue, ou diabetes tipo 2.

A resistência à insulina e o cérebro
No cérebro, é uma história diferente. O cérebro é um “sugador” de energia que exige um suprimento constante de glicose. A glicose pode deixar livremente a corrente sanguínea, passar através da barreira hematoencefálica e até mesmo entrar na maioria das células do cérebro - sem necessidade de insulina. De fato, o nível de glicose no líquido cefalorraquidiano em torno do seu cérebro é sempre cerca de 60% tão elevado quanto o nível de glicose em sua corrente sanguínea - mesmo se você tiver resistência à insulina -, então quanto maior o nível de açúcar no sangue, maior o nível de açúcar no cérebro.
Não é assim com a insulina - quanto maior o nível de insulina no sangue, mais difícil pode ser para a insulina penetrar no cérebro. Isso ocorre porque os receptores responsáveis ​​por levar a insulina através da barreira hematoencefálica podem se tornar resistentes à insulina, restringindo a quantidade de insulina permitida no cérebro. Enquanto a maioria das células do cérebro não requer insulina para absorver a glicose, elas requerem insulina para processar a glicose. As células devem ter acesso para adequar a insulina ou não podem transformar a glicose em componentes celulares vitais e energia que precisam para prosperar.
Apesar de nadar em um mar de glicose, as células do cérebro em pessoas com resistência à insulina literalmente começam a morrer de fome.

Resistência à insulina e memória
Quais células cerebrais vão primeiro? O hipocampo é o centro de memória do cérebro. Células do hipocampo requerem tanta energia para fazer seu trabalho importante que muitas vezes precisam de reforço extra de glicose. Enquanto a insulina não é necessária para deixar uma quantidade normal de glicose para o hipocampo, estes surtos especiais de glicose requerem insulina, tornando o hipocampo particularmente sensível aos déficits de insulina. Isso explica por que a diminuição da memória é um dos primeiros sinais da doença de Alzheimer, apesar do fato de que a doença de Alzheimer eventualmente destrói todo o cérebro.
Sem insulina adequada, o hipocampo vulnerável luta para gravar novas memórias, e com o tempo começa a encolher e morrer. No momento em que uma pessoa percebe sintomas de “Deterioração Cognitiva Leve” (pré-Alzheimer), o hipocampo já encolheu em mais de 10%.

A doença de Alzheimer é Diabetes tipo 3.
As principais características da doença de Alzheimer - emaranhados neurofibrilares, placas amilóides e atrofia das células cerebrais - podem ser explicadas pela resistência à insulina. Assombrosos 80%das pessoas com doença de Alzheimer têm resistência à insulina ou diabetes tipo 2 desenvolvida. A conexão entre a resistência à insulina e a doença de Alzheimer está agora tão firmemente estabelecida que os cientistas começaram a se referir à doença de Alzheimer como “Diabetes Tipo 3”.
Isso não significa que o diabetes provoque a doença de Alzheimer - a demência pode atacar mesmo se você não tem diabetes. É mais preciso pensar nisso dessa maneira: resistência à insulina do corpo é diabetes tipo 2; A resistência à insulina do cérebro é diabetes tipo 3. São duas doenças distintas causadas pelo mesmo problema subjacente: a resistência à insulina.

Você já está no caminho para a doença de Alzheimer?
Você pode se surpreender ao saber que a doença de Alzheimer começa muito antes de aparecer qualquer sintoma.
O problema de processamento do açúcar no cérebro, causado pela resistência à insulina, é chamado de “hipometabolismo de glicose”. Isso simplesmente significa que as células cerebrais não têm insulina suficiente para queimar a glicose a plena capacidade. Quanto mais resistente à insulina você se torna, mais lento seu metabolismo de glicose no cérebro se torna. O hipometabolismo de glicose é um marcador precoce do risco de doença de Alzheimer que pode ser visualizado com estudos especiais de imagem do cérebro chamados PET scans. Usando esta tecnologia para estudar pessoas de diferentes idades, os pesquisadores descobriram que a doença de Alzheimer é precedida por DÉCADAS de piora gradual do hipometabolismo de glicose.
O metabolismo de glicose no cérebro pode ser reduzido em até 25% de tempo antes que qualquer problema de memória se torne óbvio. Como um psiquiatra que se especializa no tratamento de estudantes universitários, eu acho positivamente arrepiante que os cientistas encontraram evidências de hipometabolismo de glicose no cérebro de mulheres tão jovens quanto 24 anos de idade.

Esperança real para o seu futuro
Nós costumávamos nos sentir impotentes diante da doença de Alzheimer porque nos disseram que todos os principais fatores de risco para esta condição devastadora estavam além do nosso controle: idade, genética e histórico familiar. Estávamos sentados, vivendo com medo do pior - até agora.
A má notícia é que a resistência à insulina tornou-se tão comum que há chances que você já tenha isso em algum grau.
A boa notícia é que a resistência à insulina é um importante fator de risco para a doença de Alzheimer que você pode fazer alguma coisa.
Comer demais os carboidratos errados muitas vezes é o que faz com que os níveis de açúcar no sangue e insulina subam, colocando-nos em alto risco de resistência à insulina e doença de Alzheimer. Nossos corpos evoluíram para lidar com fontes de alimentos inteiros de carboidratos como maçãs e batatas-doces, mas eles simplesmente não estão preparados para lidar com carboidratos refinados modernos como farinha e açúcar. Simplificando, carboidratos refinados causam danos cerebrais.
Você não pode fazer nada sobre seus genes ou quantos anos você tem, mas certamente pode mudar o modo como você come. Não é sobre comer menos gordura, menos carne, mais fibra, ou mais frutas e vegetais. Mudar a quantidade e o tipo de carboidrato que você come é onde está o segredo.

Três passos que você pode tomar agora para minimizar o risco de doença de Alzheimer

1. Descubra o quão você é resistente à insulina. (veja AQUI) Seu médico pode estimar onde você está no espectro de resistência à insulina usando simples análises de sangue, como glicose, insulina, triglicerídeos e níveis de colesterol HDL, em combinação com outras informações como medidas da cintura e pressão arterial. No meu artigo Como Diagnosticar, Prevenir e Tratar a Resistência à Insulina, incluo um PDF para download de testes com intervalos de metas saudáveis para você discutir com seu médico e uma fórmula simples que você pode usar para calcular sua própria resistência à insulina.
2. Evite carboidratos refinados como uma praga, começando agora mesmo. Mesmo que você não tenha resistência à insulina ainda, você permanece em alto risco para desenvolvê-la até que você chute os carboidratos refinados, como bagels (pão em forma de rosca, comum nos EUA), caixas de suco e barras de granola para longe. Para definições mais claras e uma lista de alimentos refinados a evitar: http://www.diagnosisdiet.com/refined-carbohydrate-list/
3. Se você tem resistência à insulina, observe sua ingestão de carboidratos. Infelizmente, as pessoas com resistência à insulina precisam ter cuidado com todos os carboidratos, não só os refinados. Substitua a maioria dos carboidratos em seu prato com deliciosas gorduras saudáveis ​​e proteínas para proteger seu sistema de sinalização de insulina. O infográfico abaixo fornece as estratégias-chave que você precisará para normalizar os níveis de açúcar no sangue e insulina.
Você pode exercer um tremendo poder sobre a resistência à insulina - e seu futuro intelectual - simplesmente mudando a maneira como você come. Os testes laboratoriais para a resistência à insulina respondem surpreendentemente rápidos às mudanças na dieta - muitas pessoas vêem melhorias dramáticas nos níveis de açúcar no sangue, insulina e triglicerídeos em apenas poucas semanas.
Se você já tem alguns problemas de memória e acha que é tarde demais para fazer algo sobre isso, pense novamente! Este estudo de 2012 mostrou que uma dieta de baixo carboidrato e rica em gorduras melhorou a memória em pessoas com “Dificuldade Cognitiva Leve” (Doença Pré-Alzheimer) em apenas seis semanas.
Sim, é difícil remover carboidratos refinados da dieta - eles são viciantes, baratos, convenientes e deliciosos - mas você pode fazê-lo. É principalmente a sua dieta, não o seu DNA, que controla o seu destino. Você não tem que ficar sentado esperando para ver se a doença de Alzheimer acontece com você. Armado com esta informação, você pode ser uma pessoa pró-ativa ostentando um belo hipocampo que consegue manter cada uma de suas memórias para o resto de sua vida.


10 dicas para melhorar seu metabolismo e tomar o controle da sua saúde:
É a sua DIETA, não seu DNA que determina seu DESTINO.
1.      Coma comida natural (comida de verdade)
2.      Não beba açúcar
3.      Fique longe de sucos e vitaminas
4.      Não adicione açúcar
5.      Vire um pesquisador de açúcar
6.      Evite frutas secas
7.      Farinha = glicose
8.      Limite a ingestão de laticínios
9.      Preste atenção aos vegetais doces e com amido
10.  Se exercite

Se desafie! Você tem o poder de mudar o curso da sua saúde, reduzir a inflamação, prevenir e reverter doenças sérias, e se sentir ótimo!





Para ficar por dentro das atualizações,
CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK:
PARTICIPE DO NOSSO GRUPO NO FACEBOOK:
E SE INSCREVA NO NOSSO CANAL NO YOUTUBE:


Nenhum comentário:

Postar um comentário