Receba as novidades por e-mail:

sexta-feira, 28 de abril de 2017

Cirurgia Bariátrica

‘Medical’ Bariatrics – T2D 32
by Jason Fung
Tradução de André Marcanth

O que acontece quando um paciente diabético severamente obeso é submetido a cirurgia de perda de peso (bariátrica)? Se o diabetes tipo 2 for verdadeiramente uma doença progressiva crônica e incurável, então a cirurgia não irá alterar a história natural. De acordo com a sabedoria médica convencional, os diabéticos do tipo 2 de longa duração têm resistência à insulina muito elevada, provocando aumento da secreção de insulina a partir do pâncreas. Com o tempo, o pâncreas “queima” e a produção de insulina cai. Como a insulina cai, não é mais capaz de compensar a resistência à insulina e a glicemia aumenta, desencadeando o diagnóstico de diabetes tipo 2. Uma vez que o pâncreas queima, nada vai revivê-lo, o que significa que o diabetes tipo 2 é destinado a progredir e nada pode mudar isso. Uma vez que esta anormalidade é irreversível, o diabetes deve continuar sem redução apesar da cirurgia bariátrica. Certo?
Na verdade, em praticamente todos os casos, o diabetes tipo 2 desaparece completamente!

quarta-feira, 26 de abril de 2017

Gordura saturada não entope as artérias - doença arterial coronariana é uma condição inflamatória, risco que pode ser efetivamente reduzido a partir de intervenções de estilo de vida saudável

Saturated fat does not clog the arteries: coronary heart disease is a chronic inflammatory condition, the risk of which can be effectively reduced from healthy lifestyle interventions
by Aseem Malhotra, Rita F Redberg, Pascal Meier

A patogênese e o tratamento da doença arterial coronariana requerem urgentemente uma mudança de paradigma. Apesar da crença popular entre os médicos e o público, o modelo conceitual de gordura saturada dietética entupindo um tubo é simplesmente errada. Uma revisão sistemática das descobertas e uma meta-análise de estudos observacionais não mostraram associação entre o consumo de gordura saturada e (1) mortalidade por todas as causas, (2) doença arterial coronariana (DAC), (3) mortalidade por DAC, (4) acidente vascular cerebral isquêmico ou (5) diabetes tipo 2 em adultos saudáveis.1 Da mesma forma, na prevenção secundária de DAC, não há benefício em reduzir a gordura, incluindo gordura saturada, sobre infartos do miocárdio, mortalidade cardiovascular ou mortalidade por todas as causas.2 É instrutivo observar que em um estudo angiográfico de mulheres pós-menopáusicas com DAC, maior ingestão de gordura saturada foi associada com menor progressão da aterosclerose enquanto que a ingestão de carboidratos e de gorduras poli-insaturadas foram associados com maior progressão.3

terça-feira, 25 de abril de 2017

Reverter diabetes tipo 2 começa por ignorar as diretrizes alimentares

Reversing Type 2 diabetes starts with ignoring the guidelines
By Sarah Hallberg | TEDxPurdueU

A seguir, trago a tradução da excelente palestra Dra. Sarah Hallberg sobre reversão de Diabetes Tipo 2. Essa tradução foi gentilmente cedida a mim para publicação pelo Sr. Pietro Felice Peruzzo.
O vídeo encontra-se no YouTube, neste endereço:


Pode uma pessoa ser “curada” do Diabetes Tipo 2? A Dra. Sarah Hallberg fornece provas convincentes de que ela pode, e a solução é mais simples do que você poderia pensar.

A Dra. Sarah Hallberg é Diretora Médica do Programa de Perda de Peso Medica-mente Supervisionado da IU Health Arnett, um programa que ela criou. Ela é certificada em medicina da obesidade e medicina interna e tem um Mestrado em Fisiologia do Exercício. Ela criou recentemente o que é apenas a segunda rotação não-cirúrgica de perda de peso no país para estudantes de medicina. Seu programa tem excedido consistentemente benchmarks nacionais para a perda do peso, e foi bem sucedido em inverter o diabetes e outras doenças metabólicas. Dr. Hallberg é também co-autora de www.fitteru.us , um blog sobre saúde e bem-estar.
B.S., Cinesiologia e Ciências do Exercício, Illinois State University, 1994
M.S., Kinesiology & Exercise Science, Universidade Estadual de Illinois, 1996
M.D., Universidade Des Moines, 2002

quinta-feira, 20 de abril de 2017

Jejum e grelina

Fasting and Ghrelin – Fasting 29
by Jason Fung
Tradução de André Marcanth

A grelina é o chamado hormônio da fome. Foi purificado a partir de estômago de rato em 1999 e subsequentemente clonado. Ele se liga ao receptor secretagogo do hormônio de crescimento (GH - growth hormone), que estimula fortemente o GH. Assim, para todos vocês que pensaram que comer faz ganhar tecido magro, é realmente o oposto. Nada desliga o GH como a comida. Naturalmente, o alimento fornece os nutrientes necessários para crescer, assim que na verdade, você precisa de ambos os ciclos de alimentação e jejum para crescer adequadamente. Nem toda a alimentação, nem todo o jejum. A vida está no equilíbrio dos dois. O ciclo da vida é banquete e jejum.
Também foi descoberto que a Grelina aumenta o apetite e ganho de peso. Ela também antagoniza o efeito da leptina (pelo menos nos ratos). A leptina, como você deve se lembrar, é o hormônio produzido por células de gordura que desliga o apetite e nos faz parar de comer. A grelina gera apetite. Então, se você quiser perder peso a longo prazo, você precisa ajustar a grelina.
Então, como fazer isso? Como discutimos na semana passada, comer o tempo todo parece como se isso fosse desligar a fome e a grelina. Mas isso é muito simplista. Surpreendentemente, a resposta é o oposto - o jejum.

quinta-feira, 13 de abril de 2017

Porque você está sempre com fome?

Why you’re always hungry – Fasting 28
by Jason Fung

Você vive com fome? Todos nós pensamos que comer mais vai evitar a fome, mas isso é realmente verdade? Este é o que está por trás do conselho para comer 6 ou 7 vezes por dia. Se você pode evitar a fome, então você pode ser capaz de fazer melhores escolhas alimentares, ou comer menos. A princípio, parece bastante razoável. No entanto, a princípio, o paradigma de Calorias que Entram Calorias que Saem também parece bastante razoável. Como o ouro do tolo, as aparências podem enganar, e nós devemos cavar mais profundamente para apreciar a verdade, se não nós somos os tolos. Então, vamos pensar um pouco mais nisso.
O conselho para comer o tempo todo a fim de evitar a fome assume que comer um pouco vai evitar a fome. Há alguma evidência de que isso seja verdade? Isso responderia com um grande “não”. Alguém inventou isso, e tem sido repetido tantas vezes que as pessoas assumem que é verdade. Na maior parte, tem sido promovido pesadamente pela indústria alimentícia dos petiscos para certificar-se de que a população continua a comprar seus produtos.
Vamos considerar algumas situações análogas. Suponha que você precise urinar. O que é mais fácil?
1.      Apenas segurar até encontrar o tempo/lugar certo.
2.      Fazer apenas uma pequena quantidade de xixi e, então, parar voluntariamente. Fazer isso repetidamente ao longo do dia.

segunda-feira, 10 de abril de 2017

A proteína é importante na dieta cetogênica?

Is Protein in Keto important?
by Simon (Ketoisland.com)
Publicado em 23 de fevereiro de 2017



A proteína é um macronutriente essencial e vem da palavra grega Proteos, que significa O mais importante. Tudo em seu corpo é feito a partir de proteína, desde o seu cabelo, ossos, órgãos, pele; Mesmo hormônios peptídicos são feitos de proteína.
Muitas pessoas acreditam que uma dieta cetogênica é uma dieta rica em proteínas. Este é um mito, uma dieta cetogênica equilibra um nível moderado de proteína com baixo carboidrato e é rica em gorduras saudáveis.
Muitas pessoas também acreditam que o excesso de proteína apenas se transforma em açúcar no corpo. Este é também um mito, uma vez que depende muito do contexto. Vemos pessoas usando a palavra ALTA proteína para alimentar o medo nos outros, sem ao menos definir o que alta proteína é:

sexta-feira, 7 de abril de 2017

Entendendo melhor o início das doenças do coração e das artérias

Há muito sabemos que o colesterol, por si só, não é a maior ameaça às artérias do nosso corpo. O colesterol é como se fosse uma “argamassa” utilizada pelo corpo para “fechar as rachaduras” das artérias (lesões causadas nas artérias que geram inflamação).
Abaixo reproduzo trechos do livro “Você – Manual do Proprietário (Michael Roizen e Mehmet Oz) e uma imagem do livro que ilustra isso. O texto não é direcionado a médicos ou estudantes, pelo contrário, ele é voltado para o público leigo e explica de maneira simples e didática, para o público comum, como ocorrem os danos nas artérias do coração. Lembro, no entanto, que esse livro foi publicado há mais de 10 anos atrás e pode estar desatualizado em relação a alguns aspectos técnicos.
No capítulo 2 do livro, os autores tratam do coração e das artérias. E eles discutem 3 mitos relacionados a isso. O segundo mito é: “A maior ameaça às artérias é o colesterol”. E porque é um mito? As explicações trazidas ao longo do capítulo levam à compreensão de como isso está equivocado, o que eles chamam de “destruidor de mitos”.

quinta-feira, 6 de abril de 2017

Eu não estou “fazendo dieta”

Texto original de Lissandra Bischoff

Ás vezes as pessoas me perguntam se eu ainda estou “fazendo dieta”. Mas o que isso significa, afinal?



Se você olhar na Wikipédia, diz lá que “Dieta refere-se aos hábitos alimentares individuais. Cada pessoa tem uma dieta específica.”
Adorei essa definição! Cada pessoa tem uma dieta específica. É isso! Meus hábitos alimentares individuais são a minha “dieta”.
As pessoas costumam ter uma ideia equivocada a respeito disso, de que dieta é uma intervenção alimentar que se faz quando quer perder peso. Com esse conceito distorcido, a pessoa acredita que vai “fazer uma dieta” por um tempo determinado, perder todo o peso que deseja e depois voltar a comer tudo que comia antes. E esse é o grande erro!

quarta-feira, 5 de abril de 2017

A evidência para a restrição calórica

The Evidence for Caloric Restriction
by Jason Fung

Há muitas pessoas, altamente educadas e que se acham inteligentes, que dizem que todas as dietas se reduzem a calorias. Assim, qualquer dieta que funciona automaticamente se resume a cortar calorias. Parece ser uma posição de recuo de muitos acadêmicos e pesquisadores e outros que tendem a não viver no mundo real. Eles dizem “esta dieta (Paleo, Baixo Carb, Whole Food, etc.) funciona porque cria um ‘déficit calórico’”. Ou seja, reduzir as calorias que você come criará um déficit calórico. Eles muitas vezes invocam a antiga regra Calorias que Entram, Calorias que Saem.
Mudança na gordura corporal = Calorias que Entram – Calorias que Saem. Sim. Isso é verdade. Isto é, naturalmente, análogo ao estádio lotado. Mudança na multidão do estádio = Pessoas que Entram – Pessoas que Saem. Mas e daí? Quem se importa?

terça-feira, 4 de abril de 2017

Onde encontrar a informação a respeito da quantidade de carboidratos que cada alimento possui?

Texto original de Lissandra Bischoff e Júci de Paula

Fequentemente recebemos perguntas no grupo do Facebook a respeito do que “pode” ou “não pode” ser consumido numa alimentação Low Carb (em função da quantidade carboidratos que cada alimento possui). Então hoje vamos falar sobre como saber a quantidade de carboidratos de um alimento.
Cabe ressaltar que pra quem busca emagrecer COM SAÚDE, o melhor é aliar uma alimentação Low Carb COM COMIDA DE VERDADE. E porque “com comida de verdade”? Porque uma alimentação Low Carb não é necessariamente feita com comida de verdade (como propõe uma dieta Paleo/Primal, por exemplo), sem produtos industrializados...
Conforme explica o dr. Souto no texto do link abaixo, “na dieta lowcarb, o que conta é apenas a QUANTIDADE de carboidratos (quantas gramas) se consome por dia, e não a sua QUALIDADE”. No entanto, na busca pela saúde, as duas variáveis devem ser consideradas ao mesmo tempo.

domingo, 2 de abril de 2017

O Plano de Teste de 7 Dias de Carboidratos de Robb Wolf

Nessa semana que passou eu traduzi um texto que falava sobre o novo livro de Robb Wolf (Wired To Eat) e seu Teste de 7 Dias de Carboidratos (veja AQUI). O texto chamou bastante atenção e despertou o interesse de algumas pessoas em saber detalhes sobre este teste.
Eu comprei o livro do Robb, que eu estou lendo ainda. Recomendo o livro. Achei muito interessante! Na minha visão, esse trabalho de Robb é bem relevante, uma vez que faz repensar o paradigma vigente do “índice glicêmico”, pois mostra que o índice glicêmico de um alimento (o quanto esse alimento faz aumentar o nível de glicose no sangue) depende da pessoa que o está consumindo e pode variar bastante de uma pessoa para outra.
Resolvi traduzir pra você parte do capítulo 12, que explica com mais detalhes esse teste proposto por ele.
Segue abaixo a tradução. Todos os trechos em vermelho são comentários meus.

A orientação geral de “comer alimentos naturais e não processados” será sempre valiosa. No entanto, (...) há grandes diferenças na forma como diferentes pessoas respondem a diversas quantidades e tipos de carboidratos e alimentos em geral. Você responde bem ao arroz? Bananas? Feijões? Sem testar esses alimentos, precisamos confiar em medidas subjetivas, como, por exemplo, como nos sentimos entre as refeições para ter uma noção de como vários alimentos nos afetam. A fim de realmente criar um plano de nutrição pessoal (e fugir das dietas de “tamanho único que serve para todos” - one-sizefits-all), precisamos levar nossa alimentação para o próximo nível. Isso nos permitirá potencialmente encontrar maior amplitude no que podemos comer e ainda ficarmos magros e saudáveis. (...), vamos aprender a encontrar nossa ingestão de carboidrato ideal. Podemos conseguir isso através do Teste de 7 Dias de Carboidratos. Antes de centrarmos nos detalhes desse processo, eu quero falar sobre uma cláusula de resguardo pessoal.

sábado, 1 de abril de 2017

Prevenir a Doença de Alzheimer é mais fácil do que você pensa

Preventing Alzheimer’s Disease Is Easier Than You Think
by Georgia Ede
Tradução de: André Marcanth

Você tem Resistência à Insulina?



Se você não sabe, você não está sozinho. Esta é talvez a pergunta mais importante que qualquer um de nós pode fazer sobre nossa saúde física e mental - contudo, a maioria dos pacientes, e até muitos médicos, não sabem como respondê-la.
Aqui, nos EUA, a resistência à insulina atingiu proporções epidêmicas: mais da metade de nós são agora resistentes à insulina. A resistência à insulina é uma condição hormonal que define o estágio em todo o corpo para a inflamação e supercrescimento, destrói o colesterol normal e metabolismo de gordura e, gradualmente, destrói a nossa capacidade de processar carboidratos.
A resistência à insulina nos coloca em alto risco para muitas doenças indesejáveis, incluindo obesidade, doenças cardíacas, câncer e diabetes tipo 2.
Mais assustador ainda, os pesquisadores agora entendem que a resistência à insulina é uma poderosa força no desenvolvimento da doença de Alzheimer.