Receba as novidades por e-mail:

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Açúcar e obesidade - Frutose 3



Sugar and Obesity – Fructose 3
by Jason Fung

Um dos fatos mais intuitivos na nutrição é que comer muito açúcar faz você engordar. Eu realmente não acho que há tanta discordância quanto a este ponto. Há certamente algum argumento sobre por que isso é verdade. As calorias, as pessoas afirmam, que é porque é uma fonte de calorias vazias. Assim, portanto, você poderia comer açúcar e pular o jantar e não ganhar peso. Essas pessoas acreditam que comer um prato de brownies com alguns multivitamínicos e uma porção de iguais calorias de salada de couve com salmão é igualmente engordativo. Isso provável não é verdade, como o senso comum diria. As calorias, as pessoas afirmam, uma vez que o açúcar é caloria vazia, então você vai comer mais alimentos com nutrição, como se fosse realmente muito, muito difícil evitar comer alimentos de alta densidade nutricional como fígado, vísceras e couve. Me segure... Não consigo resistir... Vísceras cozidas...
Eu argumento que a frutose é muito pior do que a glicose porque causa fígado gorduroso diretamente e, portanto, resistência à insulina. Isto alimenta o ciclo vicioso de hiperinsulinemia e resistência à insulina. Acredito que é o ciclo de resistência à insulina que define o “ponto de ajuste do peso corporal” - Body Set Weight [leia mais sobre isso AQUI] e para perder peso com sucesso a longo prazo, você deve focar neste ciclo.

Tanto a glicose (amido) quanto a frutose desempenham um papel, mas entram no ciclo em um ponto diferente. Se você comer quantidades maciças de carboidratos na forma de glicose, ainda é possível que você não desenvolva este ciclo vicioso, se você não tiver qualquer frutose. Como exemplo, a dieta chinesa da década de 1990 era extremamente elevada em arroz branco (um carboidrato refinado e com um monte de glicose), mas quase sem frutose. Eles também não estavam comendo 32 refeições ao longo do dia, então eles não estavam mantendo altos níveis de insulina.
Sob esta circunstância, havia muito pouca obesidade e ainda menos diabetes tipo 2. À medida em que a dieta começa a ocidentalizar, e o consumo de açúcar aumenta, isso é simplesmente uma receita para o desastre e a China agora ultrapassa os EUA na prevalência de diabetes.
Uma vez que a sacarose (açúcar de mesa) contém glicose e frutose, é especialmente perigosa. A frutose só pode ser metabolizada pelo fígado, por isso 1 quilo de açúcar tem 1/2 quilo de glicose e 1/2 quilo de frutose. Todo o corpo usa a glicose, mas apenas os pouco mais de 2 quilos do fígado precisam metabolizar a mesma quantidade de frutose. Além disso, a frutose não será metabolizada em glicose no fígado, porque o corpo acaba de receber um monte de glicose. O corpo não precisa de mais glicose. Em vez disso, o corpo vai ficar ocupado transformando essa frutose em gordura através da Lipogênese De Novo [LDN]. E aqui está - fígado gorduroso. E aqui está - resistência à insulina. E aqui está - aumento do peso corporal. Olá, diabesidade.
Então, eu acredito que a frutose é algo como 20 vezes mais engordativa do que a glicose (amido), como discutimos no post anterior. Portanto, não é verdade quando alguém diz que comer uma tigela de arroz é o mesmo que comer uma tigela de açúcar. Uma tigela de açúcar é mais como comer 20 tigelas de arroz. É por isso que a frutose, especificamente, é tão, tão engordativa. Esta é a razão pela qual reduzir o açúcar é o passo mais importante na redução da obesidade. Esta é a razão pela qual aqueles verdadeiros crentes calóricos são tão perigosamente ignorantes quando dizem que o açúcar não é pior do que qualquer outra caloria. Isso, é claro, é o ponto por trás do excelente livro de Gary Taubes, “The Case against Sugar” [leia um artigo sobre isso AQUI].
Então, quais são as principais fontes de frutose na dieta? Bebidas são a principal fonte de açúcar e, obviamente, devem ser reduzidas. Mas a questão é a fruta natural. Constitui consideráveis 18% da ingestão dietética. Devemos reduzi-la? Confesso que não tenho uma boa resposta aqui. Bioquimicamente, não há diferença entre a frutose das frutas e a frutose contida no açúcar.
No entanto, há uma série de fatores atenuantes em frutas inteiras, incluindo fibras. É suficiente? Não há uma boa resposta. Evidências epidemiológicas não ligam o consumo de frutas inteiras à obesidade ou diabetes, mas isso não é suficiente para eu dar um passe livre.
Sem dados adequados, a melhor resposta que posso dar é esta. Se a fruta inteira é o pior que você faz na sua dieta, então OK. No entanto, se você precisa reduzir o peso, então considere a redução de frutas. Sim, eu sei, não é uma resposta muito boa.
Em resposta ao livro de Gary Taubes, alguns disseram que o consumo de açúcar na dieta chegou ao pico e a obesidade ainda continua a subir. Isso é considerado “prova” por alguns de que o açúcar não desempenha um grande papel na causa da obesidade.
À primeira vista, isso pode parecer verdade, e é certamente persuasivo. No entanto, um olhar mais atento revela a verdade.
Fumar não causa câncer!

Vejamos um exemplo análogo de por que fumar não causa câncer. A relação entre cigarros e câncer de pulmão. Aqui está o gráfico do tabagismo e do câncer de pulmão. Bem, este primeiro gráfico mostra que fumar “obviamente” não foi uma das principais causas de câncer de pulmão, certo? À medida em que o número de cigarros diminui, as mortes por câncer de pulmão continuam a aumentar. Todas aquelas pessoas antitabagismo deviam ter vergonha de si mesmos por todo terrorismo que criaram. Caramba!
Bem, vamos avançar alguns anos. Aqui está o gráfico completo. Há simplesmente um intervalo de tempo entre fumar e câncer de pulmão. Isso é vida. O que você pode ver, quando você olha mais de perto no primeiro gráfico é que a taxa de aumento de mortes por câncer de pulmão começa a diminuir à medida em que o consumo de cigarro cai. Esse é o primeiro passo.
O mesmo é verdadeiro com relação ao açúcar. A obesidade é uma doença multifatorial. Certamente o açúcar é um dos maiores fatores, mas não o único. Reduzir o açúcar não significa que o consumo vai cair de imediato, e os efeitos podem precisar de anos ou décadas para mostrar uma diferença. Isso NÃO significa que a hipótese de que o açúcar é um fator causal é incorreta. Vamos olhar um pouco mais perto os dados. Eu coloquei o gráfico da obesidade da OCDE e os dados dos EUA são destacados em vermelho.
Você pode ver que depois do ano 2000 há duas linhas. A linha em negrito mostra a incidência real de obesidade. A linha pontilhada mostra a projeção anterior da obesidade. Em outras palavras, os dados mostram claramente que a taxa de aumento da obesidade claramente diminuiu.
A obesidade estava aumentando a uma taxa rápida de 1977 a 2000. Há um ponto de inflexão importante bem no ano 2000. A obesidade reduz o ritmo. Por quê? O que aconteceu? Um erro no ano 2000? Não. O consumo de açúcar chegou ao pico e depois caiu. O crescimento da obesidade reduziu seu ritmo.

Traduzido de (https://intensivedietarymanagement.com/sugar-obesity-fructose-3/)

Esta é uma série de posts publicados pelo dr. Jason Fung.
Leia o primeiro post da série AQUI.
Leia o segundo post da série AQUI.
Veja também este post muito importante sobre os efeitos da frutose no fígado e sua relação com a resistência à insulina e diabetes.


Para ficar por dentro das atualizações,
CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK:
PARTICIPE DO NOSSO GRUPO NO FACEBOOK:
E SE INSCREVA NO NOSSO CANAL NO YOUTUBE:


2 comentários:

  1. Olá, Liss. Parabéns pelo teu blog.
    Quando tu cita o açúcar, se refere apenas ao alimento açúcar ou a todo carboidrato que se transforma em açúcar no sangue?
    Muito obrigada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fernanda, neste artigo o dr. Jason Fung se refere especificamente ao açúcar de mesa (que é metade glicose e metade frutose) e não aos carboidratos em geral (tais como batata, etc.).

      Excluir