Receba as novidades por e-mail:

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Porque a primeira lei da termodinâmica é completamente irrelevante

Why The First Law of Thermodynamics is Utterly Irrelevant
by Jason Fung

Há muitos adeptos à teoria “Calorias que Entram, Calorias Que Saem” (Calorias In/Calories Out - CICO) que constantemente argumentam que “Tudo se resume à Primeira Lei da Termodinâmica”. A Primeira Lei da Termodinâmica se refere a uma lei da física em que a energia não pode ser criada ou destruída em um sistema fechado e é SEMPRE verdadeira. É certamente verdade no complexo mundo da fisiologia humana, mas é completamente irrelevante. O que as pessoas pensam que a CICO significa é que se você reduzir a ingestão de calorias, você deve perder peso. È claro, não significa nada desse tipo. Então, vamos ver por quê. A principal razão é que a parte mais importante da CICO não são as Calorias que Entram, mas as Calorias que Saem e a insulina. Aqui está nossa representação do corpo humano.

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Quem precisa evitar "bombas de gordura"?

Who needs to avoid Fat Bombs and BPC?
by Jason Fung

Será que comer gordura extra por meio de Fat Bombs [bombas de gorduras] e Bullet Proof Coffee [Café à prova de balas] faz você engordar? Aqui está a resposta curta. Sim e não. Se você é magro, então, comer gordura não vai fazer você engordar. Se você é obeso ou tem sobrepeso, então sim, comer mais gordura vai fazer você engordar. Deixe-me explicar. A resposta, é claro, não tem nada a ver com calorias (um conceito completamente desatualizado e inútil) e tem tudo a ver com a fisiologia. Vamos voltar um pouco.

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Como contar carboidratos em uma dieta Low Carb

Quanto comer de carboidratos?

Primeiro, vamos conhecer a CURVA DE CARBOIDRATOS geralmente utilizada como referência para uma dieta LOW CARB (dieta de baixo carboidrato).

O texto a seguir foi extraído do Paleodiário

A curva de carboidratos Primal Blueprint

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Açúcar e obesidade - Frutose 3



Sugar and Obesity – Fructose 3
by Jason Fung

Um dos fatos mais intuitivos na nutrição é que comer muito açúcar faz você engordar. Eu realmente não acho que há tanta discordância quanto a este ponto. Há certamente algum argumento sobre por que isso é verdade. As calorias, as pessoas afirmam, que é porque é uma fonte de calorias vazias. Assim, portanto, você poderia comer açúcar e pular o jantar e não ganhar peso. Essas pessoas acreditam que comer um prato de brownies com alguns multivitamínicos e uma porção de iguais calorias de salada de couve com salmão é igualmente engordativo. Isso provável não é verdade, como o senso comum diria. As calorias, as pessoas afirmam, uma vez que o açúcar é caloria vazia, então você vai comer mais alimentos com nutrição, como se fosse realmente muito, muito difícil evitar comer alimentos de alta densidade nutricional como fígado, vísceras e couve. Me segure... Não consigo resistir... Vísceras cozidas...
Eu argumento que a frutose é muito pior do que a glicose porque causa fígado gorduroso diretamente e, portanto, resistência à insulina. Isto alimenta o ciclo vicioso de hiperinsulinemia e resistência à insulina. Acredito que é o ciclo de resistência à insulina que define o “ponto de ajuste do peso corporal” - Body Set Weight [leia mais sobre isso AQUI] e para perder peso com sucesso a longo prazo, você deve focar neste ciclo.

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Resistência à insulina - O que podemos fazer a respeito

Muitas pessoas ainda têm dúvidas sobre o que causa o ganho de peso, o que é o tal do Body Set Weight (BSW), ou seja, o ponto de ajuste de peso do corpo e o que fazer para emagrecer e manter o peso. Isso foi discutido neste post AQUI.
Depois vimos como a resistência à insulina se desenvolve AQUI.
Neste último post da série, é hora de ver o que podemos fazer para reduzir os níveis de insulina e melhorar a resistência à insulina.
Abaixo eu fiz um resumo de vários textos do dr. Jason Fung para tentar esclarecer isso um pouco melhor. Abaixo de cada trecho tem a referência ao texto original completo, pra quem quiser ler na íntegra.

Nós já exploramos anteriormente a evidência que dá suporte à Teoria de Obesidade Hormonal. A insulina é o principal condutor da obesidade. Cortisol também desempenha um papel, mas a insulina é o fator mais importante para a maioria das pessoas. A insulina também aumenta a resistência à insulina em um ciclo de auto reforço.
Uma vez que o diabetes tipo 2 é realmente só outra palavra para a resistência à insulina, podemos reorganizar a Teoria da obesidade Hormonal desta forma.


De acordo com esta construção, obesidade e diabetes são causados pela mesma coisa - níveis elevados de insulina. Isso explica por que o diabetes e a obesidade estão intimamente associados. Isso também explica por que todos os esforços para descobrir como a obesidade causa diabetes falharam. É porque a obesidade não causa o diabetes tipo 2. Em vez disso, ambos são manifestações de hiperinsulinemia. Isso leva ao fato de que a síndrome metabólica como um todo está relacionada com altos níveis de insulina (...).

Resistência à insulina explicada por Jason Fung

Muitas pessoas ainda têm dúvidas sobre o que causa o ganho de peso, o que é o tal do Body Set Weight (BSW), ou seja, o ponto de ajuste de peso do corpo e o que fazer para emagrecer e manter o peso. Isso foi discutido neste post AQUI.
Agora que sabemos que a insulina tem um papel central na regulação do ponto de ajuste de peso do corpo - Body Set Weight (BSW) – precisamos saber como a resistência à insulina se desenvolve.
Abaixo eu fiz um resumo de vários textos do dr. Jason Fung para tentar esclarecer isso um pouco melhor. Abaixo de cada trecho tem a referência ao texto original completo, pra quem quiser ler na íntegra.

(...) A insulina é um hormônio que é liberado em resposta ao alimento. Certos alimentos, em particular os carboidratos refinados, tendem a aumentar os níveis de insulina mais do que outros. No entanto, a proteína também irá aumentar os níveis de insulina. Gorduras dos alimentos, por outro lado, tendem a ter o mínimo efeito no aumento da glicose e dos níveis de insulina no sangue.
Quando comemos, a glicose no sangue sobe e isso faz liberar insulina. Quando comemos uma refeição, estamos ingerindo muito mais energia dos alimentos do que podemos usar imediatamente. A insulina diz ao nosso corpo para tirar essa inundação de glicose da corrente sanguínea e a armazenar para usar mais tarde. Uma das maneiras que nosso corpo pode armazenar essa glicose é em forma de glicogênio no fígado. Nosso corpo pode converter glicose em glicogênio, em glicose de volta, com bastante facilidade.

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

A lipoadaptação em uma dieta Low Carb

Adapting to Fat on a Low-Carb Diet
By David Ludwig
Publicado em 4 de fevereiro de 2017

Uma versão mais técnica dessa discussão se encontra no PubMed


Quanto tempo leva para o seu corpo se adaptar a uma dieta de baixo carboidrato [low carb]? Esta pergunta tem relevância para todos tentando dietas de baixo teor de carboidratos para perda de peso, e também para uma controvérsia científica furiosa.
Alguns críticos têm apontado para estudos com duração de apenas alguns dias, como evidência de que dietas de baixo teor de carboidratos são prejudiciais ao metabolismo. Mas estes estudos têm uma falha fatal, uma vez que se relacionam com efeitos a longo prazo.

domingo, 12 de fevereiro de 2017

Participe do nosso grupo no Facebook

Participe do nosso grupo no Facebook:

Resistência à Insulina, Diabetes e Alimentação Low Carb

Este grupo tem por Finalidade discutir informações científicas, ou que ao menos possam ser hipóteses científicas, a respeito de Resistência à Insulina (RI), Pré-Diabetes, Diabetes Tipo 2, Síndrome Metabólica, Síndrome do Ovário Policístico (SOP) e Alimentação Paleo ou Primal, Estratégia Low Carb e Very Low Carb (cetogênica), além de Jejum Intermitente, como Terapia Auxiliar para os casos especificados.

Acesse o link abaixo para participar:





quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Frutose, fígado gorduroso e resistência à insulina

Fructose, Fatty Liver, and insulin resistance – T2D 28
by Jason Fung

A frutose e o fígado gorduroso
A frutose é ainda mais fortemente ligada à obesidade e diabetes do que a glicose. Do ponto de vista nutricional, nem a frutose nem a glicose contém nutrientes essenciais. Como um adoçante, ambos são semelhantes. No entanto, a frutose é particularmente malévola para a saúde humana em comparação com a glicose devido ao seu metabolismo único no organismo.
O metabolismo da glicose e da frutose diferem de maneira significativa. Enquanto que quase todas as células do corpo podem usar glicose para a energia, nenhuma célula tem a capacidade de usar frutose. Uma vez dentro do corpo, apenas o fígado pode metabolizar a frutose. Enquanto a glicose pode ser dispersa por todo o corpo para ser usada como energia, a frutose é direcionada como um míssil guiado para o fígado.

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Lipólise e porque você pode ganhar peso comendo muita gordura

Lipolysis and Why You Can Gain Weight Eating Too Much Fat
By Maria Emmerich
Publicado em 6 de fevereiro de 2017


Há um monte de opiniões e conselhos conflitantes na web sobre o que é uma dieta cetogênica bem formulada, especialmente para perda de peso. Muitas pessoas promovem o café à prova de balas [Bullet Proof Coffee], fat bombs, comer barras de manteiga, adicionar carboidratos [refeed de carbos ou carb loading], etc. Neste artigo eu quero esclarecer os processos metabólicos relacionados com a dieta cetogênica, a resistência à insulina e como alavanca-los para curar seu corpo e, como resultado, perder peso.

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

Os efeitos da Frutose

Fructose1 – T2D 27
by Jason Fung

Os efeitos mortais da frutose

Em 2009, o Dr. Robert Lustig, endocrinologista pediátrico da Universidade da Califórnia, em San Francisco, deu uma palestra de noventa minutos intitulada “Sugar: The Bitter Truth” [Açúcar: A verdade amarga]. Foi publicado no YouTube como parte da série de educação médica da universidade. Então aconteceu uma coisa engraçada. Foi viral.
Não era um vídeo humorístico de gatos. Não era um vídeo de uma criança jogando uma bola de beisebol na virilha do papai. Era uma conferência de nutrição cheia de bioquímica e gráficos complicados. Mas havia algo sobre essa conferência em particular que chamou a atenção do mundo e se recusou a deixá-la. Já foi visto mais de seis milhões de vezes. O que era essa mensagem que chamou tanto a atenção? O açúcar é tóxico.