quinta-feira, 1 de setembro de 2016

Prevenção da resistência - Obesidade hormonal XII

Prevention of Resistance – Hormonal Obesity XII
by Jason Fung

Uma das chaves para altos níveis de insulina reside na resistência à insulina.
A resistência à insulina leva a altos níveis de insulina. Parece também que os níveis elevados de insulina conduzem à resistência à insulina em um ciclo vicioso. Como é que o corpo normalmente se defende contra a resistência à insulina?

Altos níveis de hormônio por si só não podem causar resistência. Depois de tudo, pense sobre a experiência apresentada neste post anterior com infusões constantes de níveis fisiológicos de insulina. Você pode fazer a si mesmo esta pergunta. Se os níveis normais de insulina podem causar resistência à insulina, por que todos nós, eventualmente, não desenvolvemos resistência à insulina?
A resposta reside na forma como os hormônios são secretados no corpo. Hormônios são sempre, sempre, sempre secretados de forma pulsátil. Sempre. Se estamos falando de cortisol, insulina, hormônio do crescimento, hormônio da paratireóide ou qualquer outro hormônio no organismo humano, eles são liberados em impulsos.
Há um ritmo circadiano bem definido. Às vezes, certos níveis de hormônios estão muito altos em certo momento do dia, e em outros momentos, eles são praticamente indetectáveis. É esta natureza muito pulsátil que impede o desenvolvimento de tolerância (resistência). Sempre que o corpo é exposto a um estímulo constante, torna-se aclimatado a ele.
Pense em um momento em que você estava em um quarto escuro. De repente, você vai para fora no dia ensolarado brilhante. Seus olhos são subitamente cegados e você se sente desorientado. No entanto, ao longo dos minutos seguintes, você se acostuma com a luz brilhante. Agora as coisas parecem normais e você pode ver normalmente.
De repente você volta para aquela sala - escuro como o interior do chapéu de um mágico. Por alguns minutos, você não pode ver nada. Mesmo que você tenha estado anteriormente nesta sala e era capaz de enxergar bem, você não é mais capaz de fazê-lo agora. Ao longo dos minutos seguintes, você se acostuma com o escuro e começa a enxergar novamente.
O corpo tem a capacidade de se adaptar a um estímulo constante. Saindo da escuridão para a luz, o corpo desenvolve resistência à luz. Saindo da claridade para o escuro, o organismo desenvolve resistência ao escuro.
Este exemplo mostra como variar os níveis de luz pode prevenir o desenvolvimento de resistência. Se estamos no sol, e somos expostos a uma breve escuridão repentina, não perdemos a adaptação ao sol.
Hormônios funcionam exatamente da mesma maneira. Na maioria das vezes, os níveis hormonais são baixos. De vez em quando, um breve impulso de hormônio (tireóide, paratireóide, do crescimento, insulina - o que for) acontece. Depois que passa, os níveis são muito baixos novamente.
Com ciclos de níveis baixos e altos, o corpo nunca tem a chance de se adaptar. Nunca há uma chance de desenvolver a resistência, porque o impulso de hormônio acaba antes que a resistência se desenvolva.
O que o nosso corpo faz é manter-nos continuamente em um quarto escuro. De vez em quando, estamos expostos brevemente a uma luz brilhante, em seguida, voltamos para a sala escura. Cada vez que isso acontece, nós experimentamos o efeito completo da luz. Nós nunca temos a oportunidade de nos acostumarmos a níveis mais elevados de hormônio. Por isso, somos capazes de manter a mesma sensibilidade à luz.
Como isso se aplica à obesidade?
Os impulsos circadianos de insulina impedem o desenvolvimento de resistência à insulina. No entanto, a situação muda quando estamos constantemente expostos à insulina. Em resposta a infusões de insulina em níveis normalmente vistos no corpo humano, homens jovens saudáveis ​​desenvolveram resistência à insulina - o primeiro passo para a diabetes tipo 2.
Qual foi a diferença entre a condição experimental e o comportamento normal? A liberação pulsátil. No estado normal a insulina é liberada apenas ocasionalmente, e isso impede o desenvolvimento de resistência.
Na condição experimental, houve infusão constante de insulina durante 96 horas. O bombardeio constante de insulina levou o organismo a desenvolver resistência à insulina. Haverá uma sub regulação de receptores e o corpo irá desenvolver resistência à insulina.
Ao longo do tempo, a resistência à insulina conduz a níveis mais elevados de insulina para ‘superar’ esta resistência. Somente altos níveis não levam à resistência. Existem 2 requisitos para resistência - níveis hormonais elevados e estímulo constante.
Este é um efeito que usamos a nosso favor na terapia medicamentosa de angina (dor no peito). Os pacientes que recebem prescrição de um adesivo de nitroglicerina para angina muitas vezes recebem instruções para colocar o adesivo na parte da manhã e tirá-lo à noite.
Alternando períodos de efeitos elevados da droga e efeitos baixos da droga, não há oportunidade para o corpo para desenvolver resistência à nitroglicerina. Se o adesivo de nitroglicerina é usado 24 horas/dia todos os dias, ele rapidamente se torna inútil. Estímulo constante e níveis elevados de nitroglicerina produzem resistência.
Voltando ao caso da obesidade, agora você pode entender que a mudança da composição dos alimentos (levando a maiores níveis de insulina), por si só, não será suficiente para produzir resistência.
Se comemos 3 refeições por dia, existem níveis mais elevados de insulina, mas não temos o estímulo constante e persistente de insulina necessário para produzir a resistência à insulina.
Em outras palavras, se voltar o relógio para a década de 1950, ainda podemos comer pão branco e biscoitos Oreo e ainda ter níveis muito baixos de obesidade. Isso porque ainda temos equilíbrio entre períodos de alimentação e períodos de jejum. Nós comemos (como exemplo) 3 refeições por dia entre 8 horas (café da manhã) e 18 horas (jantar). No meio, não há lanches. 
Das 18 horas às oito da manhã, não comemos (jejum). Isso significa que temos 10 horas de alimentação e 14 horas de jejum todos os dias. A resistência à insulina (um dos principais motores de altos níveis de insulina) não se desenvolve.
Em vez de comer 3 vezes/dia, o que aconteceria se comermos 6 vezes/dia? Então, o nosso perfil de insulina ficaria assim.
Agora temos os dois pré-requisitos de resistência à insulina. Temos níveis elevados E temos níveis persistentes. Nestas condições, seria de esperar o desenvolvimento de resistência à insulina.
A fim de comer 6 vezes/dia em vez de 3, teríamos que fazer lanches o tempo todo. Sua avó poderia ter-lhe dito que a ingestão de lanches o tempo todo iria fazer você engordar. Que terrível, horrível conselho dietético para se dar. Muy estúpido. Este é exatamente o conselho que temos dado nos últimos 40 anos! E nós queremos saber porque nós temos uma epidemia de obesidade.
Uma pergunta muitas vezes surge aqui. Se todas as células são resistentes ao efeito da insulina, então, níveis mais elevados de insulina devem ter nenhum efeito global. A resposta é que a insulina tem efeitos diferentes sobre diferentes partes do corpo - as partes principais, como o músculo, o fígado e o cérebro. Cada parte tem uma certa sensibilidade ou resistência à insulina, e isto não afeta a outra.
O exercício, por exemplo, vai aumentar a sensibilidade à insulina dos músculos, mas não tem nenhum efeito sobre a sensibilidade à insulina no fígado ou no cérebro. Resistência à insulina hepática (no fígado), que se desenvolve a partir de um fígado gorduroso, não afeta a resistência à insulina no cérebro ou músculo. Quando ingerimos carboidratos em excesso, desenvolvemos resistência à insulina hepática. Isso aumenta os níveis globais de insulina. No entanto, o cérebro tem sensibilidade normal insulina.
No cérebro, nós temos níveis aumentados de insulina atuando sobre os receptores normalmente sensíveis resultando em um aumento do efeito da insulina. O efeito é aumentar o ponto de ajuste do peso corporal, que fará com que você ganhe peso (gordura). Em última análise, é o cérebro que une todos os efeitos de fome e gasto energético. É assim que ganhamos peso.



Esse assunto é novo pra você? Comece aqui.



Para ficar por dentro das atualizações,
CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK:
PARTICIPE DO NOSSO GRUPO NO FACEBOOK:
E SE INSCREVA NO NOSSO CANAL NO YOUTUBE:


2 comentários:

  1. Estou adorando seu blog e seu face , sou resistente a insulina eoas dietas convencionais não funcionam comigo.

    ResponderExcluir