segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Resistência à insulina - Obesidade hormonal VIII

Insulin Resistance – Hormonal Obesity VIII
by Jason Fung

A insulina é um dos principais condutores da obesidade. Mas o que impulsiona a insulina? Em alguns casos, certos alimentos impulsionam o aumento da insulina. Mas é evidente que existem alguns fatores dependentes do tempo em relação à obesidade que não estão consideradas. O que eu estou falando?
Considere isto. Há pessoas que estiveram com sobrepeso ou obesos por suas vidas inteiras. Para elas, é extremamente difícil de perder peso de forma permanente. Por outro lado, há pessoas que só recentemente ganharam peso. Para elas, parece que é muito, muito mais fácil perder peso. Por que isso?
A maioria das teorias convencionais da obesidade não permitem considerar esses efeitos. Considere a Redução Calórica como Hipótese Primária (Caloric Reduction as Primary - CRaP), também conhecida como Calorias que Entram, Calorias que Saem. De acordo com esta teoria falha, não deve haver nenhuma diferença entre aqueles que tiveram a obesidade por 1 mês e aqueles que tiveram por 1 década. Ser obeso por um longo tempo não deve fazer qualquer diferença. Mas qualquer um que tenha tentado perder peso ou que conheça alguém que tenha tentado perder peso sabe que a duração da obesidade desempenha um papel muito grande.

Considere-se também a Hipótese Carboidrato-Insulina. De acordo com esta teoria, também não é considerada a duração da obesidade. Não deve fazer nenhuma diferença. Contanto que você reduza os carboidratos, você deve perder peso. Mas todo mundo que tem lutado com seu peso sabe que importa muito se você tem estado obeso durante meses ou anos.
A obesidade infantil mostra o mesmo problema. Aqueles obesos quando crianças tendem a ser obesos quando adultos. Por quê? Por que é muito mais difícil para eles perderem peso. Filhos de adultos obesos tendem a ser obesos. Por quê? Mesmo com 6 meses idade (amamentada, portanto não é junk food, não caminha) há uma epidemia de obesidade. Por quê?
Estes são os efeitos dependentes do tempo de obesidade. Se podemos aceitar que a insulina causa ganho de peso, então por que níveis elevados de insulina por longos períodos de tempo tendem a tornar mais difícil baixar os níveis de insulina para que possamos perder peso? Algo está claramente faltando aqui. O que está faltando é a resistência à insulina.
O que é a resistência à insulina? A insulina é um hormônio que é produzido pelo corpo. Em ordem para que tenha o efeito desejado, deve ligar-se a receptores no corpo que sinalizam qual é o próximo passo.
Neste exemplo, a insulina é que atua no receptor de insulina para trazer glicose para dentro da célula. Ela funciona como se fosse uma chave e fechadura.
A insulina é a chave. Ele se encaixa confortavelmente na fechadura (o receptor). Uma vez que a chave e a fechadura estão juntos, a porta se abre e a glicose entra na célula.
Todos os hormônios funcionam mais ou menos na mesma forma. A este respeito, não há nada realmente especial sobre insulina e receptor de insulina.
No caso da resistência à insulina, a chave (insulina) não se ajusta muito bem na porta (receptor da insulina). Porque o encaixe é pobre, a porta não abre totalmente e, portanto, menos glicose do que o normal consegue entrar.
O que acontece é que a célula agora detecta que existe muito pouca glicose na célula. Ele é carente de glicose. A célula necessita de mais de glicose. A fim de obter mais glicose do corpo produz chaves extras (insulina). A chave e a fechadura ainda não se encaixam muito bem, mas porque há muito mais chaves, a célula é capaz de obter glicose suficiente.
Esta é a situação chamada de resistência à insulina. Por que nos importamos? Porque a resistência à insulina leva a níveis muito elevados de insulina. Nós nos preocupamos com os altos níveis de insulina porque a insulina é um importante condutor da obesidade. À medida que nos tornamos obesos, somos levados por fatores hormonais a comer mais para chegar ao nosso peso alvo.
Não somente uma ingestão rica em carboidratos leva a níveis elevados de insulina, alta resistência à insulina também leva a altos níveis de insulina. Como veremos em breve, é esta resistência à insulina, que leva aos efeitos dependentes do tempo de obesidade.
No entanto, há uma questão importante sem resposta. O que causa a resistência à insulina em primeiro lugar? O problema com a chave (insulina) ou a fechadura (receptor da insulina). É bastante fácil de medir a insulina e ficou claro muito rapidamente que a insulina é o mesmo hormônio sendo de uma pessoa obesa ou uma não obesa. Não há diferença na sequência de aminoácidos ou de qualquer outra qualidade mensurável.
Portanto, teríamos de concluir que o problema não é com a chave (insulina). O problema reside na fechadura (receptor). O receptor de insulina não responde exatamente da mesma maneira que ele costumava fazer. Este é a resistência à insulina. O que causa a resistência à insulina?
Para começar a trabalhar com isso, podemos olhar para outros sistemas biológicos. Podemos encontrar exemplos de resistência biológica em muitos lugares e isso pode nos fornecer uma pista sobre o que causa a resistência à insulina. Embora nem todos os exemplos possam ser aplicados especificamente ao problema do receptor de insulina/insulina, podem lançar alguma luz sobre o problema e nos mostrar onde começar.
Por exemplo, há um problema importante em muitas partes do mundo com a resistência aos antibióticos.
Conforme você usa mais e mais antibióticos, tende a haver uma seleção natural para organismos resistentes a antibióticos sobreviverem e se reproduzirem.
Portanto, com o uso continuado de antibióticos, há uma tendência a desenvolver resistência aos antibióticos. Compreendendo este conceito, podemos ver que a principal arma para prevenir o desenvolvimento da resistência aos antibióticos é reduzir o uso de antibióticos. Isto é, antibióticos causam resistência aos antibióticos.
Em algumas partes do mundo onde é limitada a utilização de antibióticos, há muito pouca resistência aos antibióticos. Em algumas partes do mundo, onde os antibióticos são usados ​​livremente, há muita resistência aos antibióticos.
O quanto aos vírus? O que faz com que sejamos resistente a vírus como o da difteria e da poliomielite, por exemplo? Antes de vacinas estarem amplamente disponíveis, era bem conhecido que pegar um vírus faz com que você se torne resistente a futuras infecções por esse vírus.
Na verdade, as vacinas são baseadas inteiramente nessa premissa. Ao dar vírus morto ou enfraquecido, poderíamos construir uma imunidade nas pessoas sem realmente causar a doença completa. Isto é, os vírus causam resistência viral. E antibióticos causam resistência a antibióticos.
Estes exemplos, é claro, não se aplicam diretamente à resistência à insulina. No entanto, eles começam a nos dar uma pista de que a resistência pode realmente ser provocada pelo próprio agente. Insulina poderia causar resistência à insulina?



Esse assunto é novo pra você? Comece aqui.



Para ficar por dentro das atualizações,
CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK:
PARTICIPE DO NOSSO GRUPO NO FACEBOOK:
E SE INSCREVA NO NOSSO CANAL NO YOUTUBE:


Nenhum comentário:

Postar um comentário