Receba as novidades por e-mail:

segunda-feira, 15 de agosto de 2016

Eu posso fazer você emagrecer... insulina - Obesidade hormonal V

I Can Make You Thin…Insulin – Hormonal Obesity V
by Jason Fung
  


De acordo com Teoria Hormonal da Obesidade (HOT - Hormonal Obesity Theory), postulamos que os níveis elevados de insulina causam obesidade. Podemos dar insulina ou drogas estimulante da insulina (sulfonilureias) e causar ganho de peso, apesar de todas as tentativas de menor ingestão calórica.
Se essa teoria é verdadeira, também devemos esperar o contrário. Isto é, se de alguma forma reduzir a insulina para níveis baixos, devemos esperar uma perda significativa de peso, apesar de todas as tentativas de aumentar as calorias.



Na verdade, isto é exatamente o que encontramos. O Diabetes Tipo 1 é uma doença autoimune do pâncreas. As células produtoras de insulina do corpo são destruídas. Por conseguinte, os níveis de insulina caem para níveis extremamente baixos. Aumento de glicose no sangue. Mas a característica fundamental da doença é a severa perda de peso.
Descrição clássica de Aretaeus do Diabetes Tipo 1 “Diabetes é... o derretimento de carne e membros na urina”. Isto é, apesar de todas as calorias que tente comer, o diabético tipo 1 não tratado não é capaz de ganhar peso algum. Até à descoberta da insulina, esta doença era muitas vezes fatal.
Em essência, a insulina é o sinal para o corpo ganhar peso. Se dermos insulina, o corpo vai ganhar peso. Se tirarmos a insulina, vamos perder peso. Dito de outra forma, a insulina é uma das principais controladoras do ajuste de peso corporal (BSW - Body Set Weight). Se os níveis de insulina sobem, o nosso corpo é comandado a ganhar peso. Isso vai desencadear a resposta para aumentar a ingestão de comida. Nós nos tornaremos famintos e seremos obrigado a comer.
Se isso não funcionar, então vamos diminuir o nosso Gasto Energético Total (GET), ou as Calorias que Saem, para que possamos ganhar peso em resposta a qualquer número de calorias que você ingira.
Comer demais e mover-se de menos é o resultado da obesidade, não a causa da obesidade.
Como o grande Gary Taubes diz é -
Nós não engordamos porque comemos demais
Nós comemos demais, porque nós estamos engordando
Isso define perfeitamente a pergunta correta a fazer. Por que ficamos gordos? Nós engordamos porque os nossos níveis de insulina estão muito muitos.


Na maioria dos casos, a insulina é o principal interveniente na obesidade. No entanto, ela não é o único controle hormonal do peso - cortisol também desempenha um papel.
O cortisol é chamado o hormônio do estresse. Se acreditamos na hipótese de que o excesso de cortisol também pode causar obesidade, então devemos ser capazes de dar cortisol a alguém e observar seu ganho de peso. Podemos observar casos em que o cortisol é produzido em excesso no corpo. Isto é chamado de doença de Cushing ou Síndrome de Cushing. A principal característica desta doença? Ganho de peso.
Há uma forma sintética de cortisol - uma muito comumente utilizada como um medicamento chamado prednisona, que é um corticosteróide. É um potente anti-inflamatório e, muitas vezes utilizado no tratamento de asma, lúpus e outras doenças inflamatórias.
Assim, se dermos prednisona a alguém, o que acontece? Ele desenvolve o que é chamado de síndrome cushinóide. Em outras palavras, esses pacientes parecem que têm a doença de Cushing.
Principalmente eles percebem que ganham peso. Há também uma distribuição específica para este ganho de peso que é chamada obesidade troncular, o que significa que a gordura se concentra mais no tronco do que nas extremidades (braços e pernas).
E sobre o contrário? Se acreditamos que o cortisol pode causar obesidade, então o que acontece se os níveis de cortisol forem levados a cair para níveis extremamente baixos?
Temos exatamente esta situação no caso da doença de Addison. Isto também é conhecido como insuficiência adrenal. A glândula adrenal produz cortisol e quando é danificada, os níveis de cortisol, assim como outros hormônios caem muito.
A característica da doença de Addison? Perda de peso.
Os hormônios são a chave para a obesidade. Estas são relações causais. Uma coisa causa a outra. Esta é uma relação muito mais poderosa do que a maioria dos estudos de correlação (a maioria dos estudos de correlação são porcaria).


Se aumentarmos a insulina, ganhamos peso. Se diminuirmos a insulina, perdemos peso. O nosso peso corporal (assim como tudo o mais no corpo) é regulado por hormônios. Tal variável fisiológica importante como o peso corporal não é deixada aos caprichos da ingestão calórica diária e do gasto diário, mas em vez disso é precisamente regulada por hormônios - principalmente insulina, mas também cortisol.
Isso faz muito sentido quando você pensa sobre isso. Considere isto. Se comermos 2000 calorias/dia, isto equivale a 730.000 calorias em um ano (2000 * 365 = 730.000).
Muitas pessoas, ganham meio quilo a um quilo por ano. Não muito, mas ao longo de 25 anos, isto acrescenta 25 quilos extras. Em termos de calorias, isso equivale a um excesso calórico de 7.200 calorias ao longo de 1 ano, assumindo que meio quilo de gordura é cerca de 3.600 calorias. Isto é uma taxa de erro de menos de 1%.
Se somos responsáveis ​​por manter o controle de quantas calorias comemos e quantas calorias queimamos, você acha que poderíamos ser tão incrivelmente precisos? A maioria de nós nem sequer sabe quantas calorias está comendo ou queimando em determinado momento! Como isso poderia ser, possivelmente, controlado pelo nosso cérebro racional?
Nós não controlamos o nosso peso corporal mais do que nós controlamos as nossas batidas do coração. Isto acontece automaticamente sob a influência de hormônios. Hormônios nos dizem que estão com fome. Hormônios nos dizem que estão cheios. Hormônios nos dizem quando aumentar o gasto energético. Hormônios nos dizem quando “desligar” o gasto energético. A obesidade é uma desregulação hormonal de acúmulo de gordura.
Quando nós deixamos esses hormônios saírem de sintonia, temos doenças como a obesidade. Se pudermos entender que a obesidade é um desequilíbrio hormonal, então estamos preparados para fazer a próxima pergunta - como tratar a obesidade?
Se acreditamos que o excesso de calorias causa a obesidade (CRaP - Caloric Reduction as Primary), então o tratamento é reduzir as calorias. Isto foi um fracasso total e absoluto. Se entendermos que a obesidade é causada por excesso de insulina, então precisamos diminuir a insulina.

Na verdade, vemos que nossa compreensão da obesidade realmente mudou muito pouco desde a época de William Banting (anos 1800).
Desde os meados dos anos 1800 até meados de 1900 nós acreditamos que os açúcares e amidos causavam a obesidade. A obesidade foi tratada através da redução de açúcares e amidos. E, adivinhem, funcionava muito bem.
A partir dos anos 1950 até os anos 2000 nós acreditamos que as calorias causavam a obesidade. Isto levou a inúmeras dietas de restrição de calorias - a grande maioria das quais foram fracassos completos. E, adivinhem, as taxas de obesidade explodiram.
Agora, com uma maior compreensão dos fundamentos hormonais da obesidade, vemos que o círculo se fechou e reconhecemos novamente que os carboidratos refinados foram a causa da epidemia de obesidade. A chave é reestabelecer a insulina, e, em menor grau, os níveis de cortisol ao normal. A chave NÃO é equilibrar as calorias - é equilibrar os hormônios.



 Esse assunto é novo pra você? Comece aqui.



Para ficar por dentro das atualizações,
CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK:
PARTICIPE DO NOSSO GRUPO NO FACEBOOK:
E SE INSCREVA NO NOSSO CANAL NO YOUTUBE:


2 comentários:

  1. Muito interessante...


    Estou com um problema em relação a isso..estou fazendo a paleo/low carb tem mais ou menos 1 mes e meio. e perdi mto pouco peso..3kg.
    Fiz um exame de sangue e saiu 22.2 mcu/ml. a referencia é de 2 a 13 mcu/ml. Isso deve estar prejudicando meu emagrecimento.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acredito que sim. Eu tenho o mesmo problema. É mais difícil de emagrecer. Requer mais tempo e esforço para atingir o mesmo resultado que outras pessoas.

      Excluir