quarta-feira, 17 de agosto de 2016

A Hipótese Carboidrato-Insulina está errada - Obesidade Hormonal VI

The Carbohydrate-Insulin Hypothesis is Wrong – Hormonal Obesity VI
by Jason Fung


Vamos recapitular. Nós exploramos, na série Calorias, por que a Redução Calórica como hipótese Primária (CRaP - Caloric Reduction as Primary), também conhecida como modelo Calorias que Entram, Calorias que Saem, está errada. Ao olhar para estudos causais ao invés de estudos de correlação, podemos ver que os hormônios insulina e cortisol podem causar obesidade.


Nós podemos dar às pessoas insulina e cortisol e elas vão ganhar peso. Quando nós os tiramos, elas perdem o peso. Por enquanto vamos nos concentrar sobre a insulina, uma vez que tende a ser o maior fator relacionado à obesidade.
Assim que aceitamos o fato de que a insulina provoca obesidade, então vamos querer saber o que causou o aumento dos níveis de insulina, que causaram a obesidade em primeiro lugar. O candidato mais óbvio são os carboidratos engordativos. Estes são os grãos altamente refinados e açúcares.
Porque esses carboidratos são altamente refinados, eles tendem a elevar a glicose e os níveis de insulina no sangue rapidamente. Isto tenderá a causar ganho de peso e obesidade. Isto é conhecido como Hipótese Carboidrato-Insulina (HCI), e é a base da dieta de Atkins e muitos outros de baixo carboidrato (Dukan) e dietas de muito baixo carboidrato (dieta cetogênica).


No entanto, rapidamente se torna claro que essa hipótese deve estar errada ou incompleta. O problema mais óbvio é o dos comedores de arroz asiáticos da década de 1990. Pessoas do leste asiático tendem a comer muito arroz em comparação com os norte-americanos. A maior parte do seu consumo de arroz é arroz branco, que é um carboidrato refinado.


Se eles estão comendo tanto carboidrato refinado, então seria de esperar que os chineses na década de 1990 fossem extremamente obesos. O problema, é claro, é que não era assim. Houve taxas de obesidade muito baixas no leste da Ásia até mais recentemente, nos anos 2000, quando sua dieta se tornou muito mais ocidentalizada. Pobres coitados.


É útil estudar esses padrões históricos, porque muitas dietas tornaram-se muito mais ocidentalizadas durante este período de globalização.
Vamos ver este estudo:
(Ingestão de nutrientes de homens e mulheres de meia-idade na China, Japão, Reino Unido e Estados Unidos na década de 1990: o estudo INTERMAP)
Usando o registro alimentar de 24 horas e amostras de urina de 24 horas, eles compararam as dietas de 4 grupos de pessoas provenientes dos EUA, Reino Unido, China e Japão.


A ingestão total de carboidratos na China era muito além das outras nações. Se a HCI estivesse correta, isso iria predizer que a obesidade na China seria a mais alta do grupo. Isso não é verdade.
Há claramente algo mais acontecendo aqui. Embora a ingestão de carboidratos total fosse muito elevada, a ingestão de açúcar era muito baixa em comparação com o resto do mundo. Parece haver algo específico em relação ao açúcar que pode ser muito mais obesogênico do que outros carboidratos.
O Japão também é muito interessante. Enquanto a ingestão total de carboidratos não era mais elevada, a ingestão de açúcar também é menor do que os EUA ou o Reino Unido. O Japão também tinha níveis muito baixos de obesidade até recentemente.
Há uma outra grande diferença na ingestão de carboidratos refinados. Pessoas do leste asiático tendem a consumir a maioria de seus carboidratos na forma de arroz, ao passo que as sociedades ocidentais tendem a consumir os seus carboidratos na forma de produtos de trigo e milho refinados.
É possível que o arroz seja menos obesogênico do que o trigo. Há alguns que também postulam que o trigo que nós comemos, atualmente, é muito diferente do trigo original que foi cultivado. Um dos best-sellers do New York Times é um livro chamado Barriga de Trigo, que sugere que este é o grande problema. É certamente verdade que 99% do trigo cultivado comercialmente é de variedades anãs e semi-anãs. As implicações para a saúde de transformar o trigo são desconhecidas, por isso permanece sendo uma possibilidade muito real.
Vamos desvendar o mistério dos Magros Chineses Comedores de Arroz dos anos 90 em seu devido tempo. A resposta é muito mais sutil do que podemos cobrir neste post. No entanto, o que podemos dizer neste momento é que a HCI, em seu estado atual, não está correta. É uma teoria incompleta.
De maneira semelhante, podemos apontar para uma multidão de sociedades primitivas que comem predominantemente dietas de carboidratos. Oa Kitavanos, por exemplo, estudados por Stefan Lindeberg comiam uma dieta rica em carboidratos, mas tinham uma insulina basal muito baixa e praticamente nenhuma obesidade. Apesar de uma ingestão de 70% de carboidratos (não refinados), os Kitavanos tinham níveis de insulina basal abaixo do percentil 5 dos suecos.

Assim, parece que níveis baixos de insulina associados com baixas taxas de obesidade, não deixam claro que a ingestão elevada de carboidratos é a principal causa de altos níveis de insulina.
Da mesma forma, os habitantes de Okinawa comem muita batata doce (carboidrato). No entanto, eles são um dos povos que vivem mais no mundo e, historicamente, tiveram muito pouca obesidade.
A HCI reflete o conhecimento médico moderno de cerca de 1850, quando Banting publicou “A Carta sobre a corpulência”. Enquanto não é totalmente errada, não é totalmente correta. Isso levou muitos a abandonar esta teoria, em vez de tentar conciliá-la com os fatos conhecidos.
O link de insulina com obesidade parece muito sólido. Dar insulina para as pessoas causa ganho de peso e retirá-la leva à perda de peso. No entanto, é a ligação de carboidratos à insulina que é incompleta. Há muitas coisas que podem levar ao aumento da insulina, assim como muitas coisas podem levar a uma diminuição da insulina.
A Hipótese Carboidrato-Insulina não é tanto errada, como incompleta. A noção de que os carboidratos são os únicos condutores da insulina é incorreta. Precisamos saber o que aumenta e diminui a insulina.
A fim de desenvolver um entendimento mais completo das causas da obesidade, teremos que discutir o fenômeno conhecido como resistência à insulina. Vamos precisar olhar para a importância dos intervalos das refeições. Vamos precisar olhar para o papel tradicional do jejum. Vamos discutir Diabetes em detalhes.
Teremos que explorar o papel da fibra. Vamos discutir amido resistente. Vamos precisar explorar o papel do vinagre. Vamos olhar para frutose e açúcares com mais detalhes. Vamos precisar olhar para o papel do trigo especificamente.
Apertem seus cintos de segurança - nós estaremos decolando em breve.




Esse assunto é novo pra você? Comece aqui.



Para ficar por dentro das atualizações,
CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK:
PARTICIPE DO NOSSO GRUPO NO FACEBOOK:
E SE INSCREVA NO NOSSO CANAL NO YOUTUBE:


Nenhum comentário:

Postar um comentário